Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Obama também manifestou suas preocupações com uma suposta violação por parte de Moscou do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário de 1987, sob o qual Estados Unidos e Rússia se comprometeram a não desenvolver mísseis balísticos e de cruzeiro de alcance médio terra-ar - tanto convencionais quanto nucleares.

(afp_tickers)

O presidente americano, Barack Obama, telefonou nesta sexta-feira para seu colega russo, Vladimir Putin, para expressar sua "profunda preocupação diante do maior apoio da Rússia aos separatistas na Ucrânia" - informou a Casa Branca.

Obama também manifestou suas preocupações com uma suposta violação por parte de Moscou do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário de 1987, sob o qual Estados Unidos e Rússia se comprometeram a não desenvolver mísseis balísticos e de cruzeiro de alcance médio terra-ar - tanto convencionais quanto nucleares.

"O presidente ressaltou sua preferência por uma solução diplomática para a crise na Ucrânia, e os dois líderes concordaram em manter seus canais de comunicação abertos", relatou a Casa Branca, em um comunicado.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, declarou que a Rússia continua reforçando sua presença militar ao longo da fronteira com a Ucrânia.

"Continuam sendo mais de 10 mil, em quantidade, mas flutuam", disse ele aos jornalistas, referindo-se aos soldados que - detalhou - estariam "perto da fronteira, a uns 50 quilômetros da fronteira, mais perto do que estavam na primavera (boreal)".

Nesta sexta, o secretário do Tesouro americano, Jack Lew, conversou por telefone com o primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatseniuk, e disse que Washington continuará impondo sanções à Rússia, se esse país não buscar uma solução pacífica para a crise.

Lew repetiu "que os Estados Unidos continuarão cooperando com os países do G-7 e com outros sócios internacionais para impor custos adicionais à Rússia, se o governo não trabalhar no sentido de chegar a uma resolução pacífica da crise".

O secretário Lew também manifestou o apoio de Washington "às reformas econômicas e políticas na Ucrânia" e destacou os "avanços registrados pelo país" no cumprimento do programa firmado com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

AFP