Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Segundo a presidência americana, Obama deixou claro a Netanyahu o imperativo estratégico de instituir um imediato e incondicional cessar-fogo.

(afp_tickers)

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, conversou neste domingo com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para destacar a necessidade de um cessar-fogo imediato e duradouro na Faixa de Gaza, informou a Casa Branca.

Segundo a presidência americana, Obama "deixou claro o imperativo estratégico de instituir um imediato e incondicional cessar-fogo que acabe com o confronto e leve a uma paralisação permanente das hostilidades baseada no acordo de novembro de 2012".

Durante a conversa, Obama "destacou a severa condenação dos Estados Unidos aos disparos de foguetes do Hamas e aos ataques" contra o território israelense a partir de túneis da Faixa de Gaza, e "reafirmou o direito de Israel de se defender".

Mas Obama também "reafirmou a séria e crescente preocupação dos Estados Unidos com o aumento do número de mortes de civis palestinos e com a perda de vidas israelenses, assim como com a preocupante situação humanitária em Gaza".

O presidente destacou o apoio de Washington à iniciativa do Egito para melhorar a situação e disse que "qualquer solução duradoura para o conflito deve passar pelo desarmamento dos grupos e pela desmilitarização da Faixa de Gaza".

Netanyahu, entrevistado por várias TVs americanas neste domingo, declarou em Jerusalém que a iniciativa egípcia é a única válida para se obter uma trégua estável.

"A iniciativa egípcia é a única" que traz as condições prévias para um "período duradouro de calma".

Netanyahu destacou que os combatentes do Hamas "violam seu próprio cessar-fogo" ao prosseguir com os disparos de foguetes contra Israel, e afirmou que "fará o que for necessário para defender seu povo".

"Espero que consigamos uma trégua duradoura que nos permita desmilitarizar Gaza", acrescentou.

Segundo a imprensa israelense, o Gabinete de Segurança estava reunido na noite deste domingo, em Tel Aviv, para decidir os próximos passos no conflito.

O Hamas fez neste domingo uma série de disparos de foguetes contra Israel, apesar de o movimento palestino ter aceitado a trégua proposta pela ONU para estabelecer um corredor humanitário na Faixa de Gaza.

Segundo o Exército israelense, 22 foguetes lançados de Gaza atingiram neste domingo o território israelense, enquanto o sistema de defesa antimísseis interceptou outros cinco. Nenhum deles deixou vítimas.

Os bombardeios israelenses mataram neste domingo 11 palestinos, entre eles uma mulher cristã, de acordo com o último boletim dos serviços de emergência.

No total, a ofensiva israelense matou 1.031 palestinos, 75% deles civis, segundo a ONU, um número revisado para baixo após uma análise detalhada dos restos mortais encontrados entre os escombros.

AFP