Navigation

OEA quer recuperar recursos para reconstrução da Venezuela

Secretário-geral da OEA, Luis Almagro, em foto em Washington, Estados Unidos, em 27 de fevereiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. março 2019 - 16:56
(AFP)

O secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, pediu nesta sexta-feira ações para recuperar "os lucros ilícitos" levados a outros países por funcionários do governo da Venezuela, de forma que esses recursos possam ser usados na reconstrução do país.

"Não podemos permitir que fique impune, devemos agir com energia, perseguir os criminosos do governo (...) para recuperar todos os lucros ilícitos que esconderam ao redor do mundo em benefício e para a reconstrução da Venezuela", disse Almagro em fórum celebrado em Washington.

Nesta conferência sobre a "Corrupção de Estado e crise humanitária na Venezuela", Almagro reiterou que o país sofre "uma situação de crimes de lesa humanidade".

A Venezuela atravessa uma profunda crise política e econômica, marcada pela hiperinflação e por uma severa escassez de produtos básicos.

"O governo da Venezuela quer fazer a comunidade internacional pensar que não existe crise humanitária e que se existisse seria causada pelo suposto bloqueio econômico por parte da classe empresarial venezuelana", defendeu o secretário-geral da OEA, importante apoio do opositor Juan Guaidó, líder do Parlamento reconhecido por mais de 50 países como presidente interino.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, nega a existência de uma "emergência humanitária" e rejeita a assistência, considerada o prenúncio de uma invasão militar.

"É evidente que a causa real da crise é a ganância excessiva", disse Almagro, para quem a gravidade da situação "se tornou a mais ampla estratégia de repressão no país, tornou-se uma arma".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.