Navigation

ONU faz alerta sobre 'clima de medo' na Nicarágua

(Arquivo) O alto comissário para os Direitos Humanos da ONU, Zeid Ra'ad Al-Hussein afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. agosto 2018 - 11:40
(AFP)

O alto comissário para os Direitos Humanos da ONU pediu à comunidade internacional que adote medidas para frear a crise na Nicarágua, que vive um "clima de medo" após meses de violenta repressão às manifestações da oposição.

"A repressão e as represálias contra os manifestantes prosseguem na Nicarágua, enquanto o mundo olha para o outro lado", afirma Zeid Ra'ad Al-Hussein em um comunicado, divulgado por ocasião da publicação de um relatório sobre o país.

"A violência e a impunidade dos últimos quatro meses demonstraram a fragilidade das instituições do país e do Estado de direito, o que gerou um contexto de medo e desconfiança", completou.

As manifestações da oposição na Nicarágua, governada desde 2006 pelo ex-guerrilheiro sandinista Daniel Ortega, começaram em abril contra uma reforma da Previdência - mais tarde abandonada. Os protestos foram ampliadas a todo o país como uma reação à violenta repressão, que deixou mais de 300 mortos e 2.000 feridos.

Entre as violações dos direitos humanos documentadas em um relatório do Alto Comissariado estão o "uso desproporcional da força por parte da polícia, que em alguns casos terminaram em execuções extrajudiciais, os desaparecimentos forçados, as prisões arbitrárias e generalizadas, as torturas e os maus-tratos".

O documento também destaca a violência dos opositores e os ataques contra integrantes do partido governante, funcionários do governo e membros das forças de segurança. O texto cita as mortes de 22 policiais.

"O nível de brutalidade de alguns destes episódios, que incluíram queimaduras, amputação e profanação de cadáveres, ilustra a grave degeneração da crise”, afirma o relatório, que pede uma investigação dos abusos.

O Alto Comissariado divide a crise em fases: a "repressão" das manifestações por parte da polícia e elementos armados pró-governo, seguida de uma fase de "limpeza" (de meados de junho até meados de julho), durante a qual a polícia e os elementos armados pró-governo desmantelaram as barreiras nas estradas e as barricadas.

Finalmente, os manifestantes e outros opositores ao governo foram "perseguidos e criminalizados", segundo a ONU, que destaca que os elementos armados atuaram em acordo com as autoridades do Estado e o comando da Polícia Nacional.

O governo "tolera a ação e permite que atuem com absoluta impunidade", afirmou o Alto Comissário

"Peço ao Conselho de Direitos Humanos e à comunidade internacional em geral que adotem medidas específicas com o objetivo de evitar que a crise atual provoque distúrbios sociais e políticos ainda mais graves", afirmou Zeid, que pediu, mais uma vez, a abertura de uma investigação internacional.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.