Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(9 jul) Manifestação em Caracas contra o presidente Nicolas Maduro

(afp_tickers)

A ONU pediu nesta sexta-feira (14) que a Venezuela respeite o plebiscito que a oposição quer realizar contra a Assembleia Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro, e denunciou o uso de tribunais militares para julgar civis.

O apelo coincide com a publicação de dados, por parte do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur), mostrando que o número de pedidos de asilo feitos por venezuelanos aumentou nos últimos meses. Cerca de 52 mil requerimentos foram registrados desde janeiro, mais do que o dobro de todo o ano anterior.

"A situação na Venezuela continua muito preocupante", declarou à imprensa uma porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Liz Throssel.

Desde o início das manifestações contra o governo de Nicolás Maduro, em 1º de abril, pelo menos 92 pessoas morreram, e 1.519 ficaram feridas, relatou, citando a Procuradoria-Geral da Venezuela.

"Além disso, milhares de manifestantes foram detidos arbitrariamente", ressaltou a porta-voz, que também pediu ao governo venezuelano para parar de recorrer a tribunais militares para julgar civis, uma prática "contrária ao Direito Internacional em matéria de direitos humanos".

A porta-voz considera "essencial que o governo tome medidas para garantir que as forças de segurança [...] não exerçam força excessiva contra os manifestantes".

A ONU "insta as autoridades a respeitarem os desejos daqueles que quiserem participar" do plebiscito simbólico organizado pela oposição no próximo domingo (16) contra a Assembleia Constituinte de Maduro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP