Navigation

ONU preocupada com militares nas ruas da Colômbia ante marcha contra Duque

Presidente da Colômbia, Ivan Duque, durante seu discurso televisionado em Bogotá afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. novembro 2019 - 12:37
(AFP)

A ONU expressou sua preocupação pelo aumento de militares nas cidades da Colômbia antes de uma grande marcha convocada para esta quinta-feira por sindicatos, estudantes, indígenas e opositores ao governo de Iván Duque.

"O Escritório recebeu informes sobre um aumento da presença de membros do exército nas ruas de algumas cidades da Colômbia nos dias anteriores à manifestação", indicou nesta quarta-feira o escritório local de direitos humanos do organismo internacional em um comunicado.

O escritório das Nações Unidas também apontou "com preocupação" a expedição de "vários decretos, circulares e instruções" que permitem às autoridades locais declarar toques de recolher e contar com apoio militar em caso de problemas.

A organização chamou a atenção também para mensagens "de procedência não identificada" que "estigmatizam o protestos social" e outras que "chamam ao uso da violência" nas mobilizações.

Desde o fim de semana foram observados dezenas de militares nas ruas do centro de Bogotá, por onde costumam transitar os manifestantes, que através das redes sociais denunciam uma "militarização" para intimidar o protesto social.

O prefeito de Bogotá, Enrique Peñalosa, afirmou nesta quarta que o exército "estará vigiando algumas instalações estratégicas e garantindo uma proteção adequada a serviços públicos", enquanto cerca de 4.000 policiais "garantirão o desenvolvimento normal do dia".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.