Navigation

Operários e outros movimentos anunciam protestos em Equador sob estado de exceção

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, fala a apoiadores que se reuniram em frente ao palácio presidencial de Carondelet em Quito, em 20 de outubro de 2021 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. outubro 2021 - 19:03 minutos
(AFP)

Sindicatos, indígenas e universitários do Equador vão protestar na terça-feira contra a alta dos preços dos combustíveis enquanto vigora um estado de exceção determinado pelo governo conservador de Guillermo Lasso para combater o narcotráfico.

Será "uma marcha pacífica, amparando-nos no direito à resistência", disse à AFP o líder sindical Mesías Tatamuez.

A mobilização representa um desafio inicial para o governo Lasso, que assumiu em maio, e pode elevar a temperatura social em um país com uma grave crise carcerária, com centenas de mortos, e que tenta se recuperar da devastação econômica provocada pela pandemia.

A Frente Unitária dos Trabalhadores (FUT), que reúne as principais centrais sindicais, a Confederação Nacional dos Povos Indígenas (Conaie) e o sindicato das universidades, uniram forças para exigir que Lasso congele os preços dos combustíveis.

“Se o governo não congelar os (preços dos) combustíveis, nos parece uma infâmia. A gasolina está mais cara”, disse Tatamuez.

Desde 2020, o Equador reajusta os combustíveis mensalmente com o preço do petróleo no mercado internacional, com o qual o galão americano de diesel, o mais consumido, subiu 70% (de um dólar para US$ 1,70).

Lasso, um ex-banqueiro que defende a livre flutuação de preços, disse não ter a intenção de mudar essa política. No entanto, ele evocou a possibilidade de direcionar a compensação para as operadoras e setores mais atingidos.

“Se quer se concentrar (na compensação), se concentre, mas diga como. Até agora, não entrou em acordo nem com as operadoras”, afirmou Tatamuez.

A Federação dos Estudantes Universitários do Equador (FEUE) indicou que acompanhará a mobilização para denunciar uma "precariedade" do mercado de trabalho devido às reformas trabalhistas promovidas por Lasso para impulsionar a economia.

Organizações sociais marcham apesar do estado de exceção decretado pelo governo por 60 dias para enfrentar a violência do tráfico de drogas.

No meio dessa outra crise, militares e policiais patrulham as ruas, embora o presidente tenha afirmado que não restringirá direitos como o de protesto e de reunião.

Conaie liderou protestos violentos em 2019 contra a eliminação total dos subsídios aos combustíveis, que deixou onze mortos e obrigou o então presidente Lenín Moreno a recuar em sua decisão.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?