A Nicarágua está passando por uma onda repressiva com execuções extrajudiciais e ações para intimidar os oponentes do governo do socialista Daniel Ortega, denunciaram ativistas e líderes da oposição nesta sexta-feira (13).

O Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (CENIDH) revelou em um relatório execuções extrajudiciais em áreas rurais de pessoas que participaram de protestos contra o governo Ortega.

"O mais sério e novo nesse período é a existência de execuções extrajudiciais que estão ocorrendo no norte" da Nicarágua, disse a advogada Vilma Núñez, presidente do CENIDH, em um relatório sobre a situação dos direitos humanos entre julho e agosto.

O documento descreve os últimos meses da crise na Nicarágua desde abril de 20018, quando manifestações contra uma reforma da previdência social resultaram em uma demanda pela renúncia de Ortega.

A repressão contra as manifestações deixou 328 mortos e centenas de presos, enquanto 62.500 pessoas deixaram o país, de acordo com o segundo relatório do CENIDH de 2019.

Ainda de acordo com o CENIDH, "um padrão de impunidade" prevalece nas mortes que ocorrem nas áreas rurais. O relatório alerta que a violência no campo "coincide com a presença maciça de paramilitares e com um aumento incomum de tropas militares".

A agência documentou o assassinato de 17 camponeses "que poderiam constituir execuções extrajudiciais" entre janeiro e agosto passado. Todos eles foram "atingidos por tiros".

O CENIDH também identificou como "nova fase repressiva" a perseguição aos oponentes que foram libertados em junho passado sob uma polêmica lei de anistia, com o objetivo de intimidá-los e levá-los a deixar o país.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.