Navigation

Os erros que prolongam a pandemia no México

Jardineiro da cidade ao lado de um mural mostrando trabalhador da saúde usando máscara facial, assinado pelo artista urbano Applez, na Cidade do México, em 21 de julho de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 22. julho 2020 - 14:55
(AFP)

Enquanto alguns países se preparam para uma possível segunda onda de COVID-19, a pandemia no México se prolonga por dois problemas fundamentais: não ter aplicado confinamento obrigatório e ajuda financeira insuficiente para a população, estimam os especialistas.

Rejeitar o confinamento forçado foi uma decisão arriscada do presidente de esquerda, Andrés Manuel López Obrador, justificada pelo respeito aos direitos humanos, mas principalmente pela necessidade de milhões de trabalhadores informais - 56% da força de trabalho - de sair e encontrar sustento.

"Nunca houve uma quarentena rigorosa. Como sociedade, não tivemos disciplina para ficar em casa e as cadeias de transmissão não foram cortadas", diz Malaquías López, ex-funcionário da Saúde e especialista em políticas públicas da Universidade Nacional Autônoma do México, UNAM.

O México, com 127 milhões de habitantes, é o quarto país do mundo em mortes por COVID-19 (40.400) e sétimo em infecções (356.255). Na América Latina, apenas o Brasil, com mais de 81.000 mortes e quase 2,2 milhões de infecções entre seus 212 milhões de habitantes, sofreu mais com o coronavírus.

López Obrador garante que a epidemia está regredindo, embora "muito lentamente", e presume que o sistema de saúde não entrou em colapso.

No entanto, o ministério da Saúde reconheceu que até terça-feira o crescimento médio de novos casos era de 1,2% ao dia e que levaria "alguns meses" para alcançar o controle adequado na maioria dos estados.

Outras ideias enraizadas em López Obrador limitaram a ajuda do governo, como uma austeridade obsessiva ou sua aversão ao endividamento e estímulos econômicos, que chama de políticas "neoliberais".

O pacote fiscal mexicano para enfrentar a crise da saúde é equivalente a 1,1% do PIB, o 12º entre 16 países da América Latina e menor que a média de 3,2% atribuída por cada país da região, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

O presidente anunciou programas de apoio para idosos, jovens e crianças, mas passou longe da problemática do confinamento.

Uma das medidas foi a concessão de três milhões de créditos para pequenas empresas e trabalhadores, de cerca de 1.110 dólares cada. Até sexta-feira, 963.831 empréstimos haviam sido distribuídos, segundo o governo.

"Os valores não são consistentes com a realidade", diz César Salazar, acadêmico do Instituto de Pesquisa Econômica da UNAM.

A falta de uma resposta proporcional à crise explica as previsões sombrias para a economia mexicana, que despencou 9% este ano, segundo analistas, e o desemprego, que só em abril arrastou 12 milhões de pessoas.

A necessidade de subsistência e o desgaste do confinamento - em vigor de março a junho, mas ainda recomendado pelas autoridades - complicariam uma nova quarentena se a epidemia persistir.

- Epidemias múltiplas -

Um novo fechamento econômico "seria um golpe muito forte para muitas empresas que foram capazes de sobreviver até agora", diz Salazar, que acredita que nesse cenário o Estado precisaria aumentar o apoio.

Uma alternativa ao confinamento total são as medidas direcionadas que estão sendo implementadas pela Cidade do México, a área mais afetada pelo novo coronavírus.

A capital aumentou os testes de triagem para definir onde restringir a mobilidade, distanciando-se do governo, que reluta em aplicar testes em massa.

Segundo dados da Universidade de Oxford, o México é o país latino-americano com menos testes por 1.000 habitantes.

A estratégia de "contenção" da Cidade do México, no entanto, não tem eco no governo nacional, que insiste em garantir assistência médica em vez de conter o vírus.

"Estão deixando a pandemia evoluir apenas tentando não saturar os hospitais", sustenta Alejandro Macías, infectologista e "czar" contra a pandemia de gripe AH1N1 de 2009.

Enquanto a capital já está mostrando desaceleração de infecções e ocupação hospitalar, estados como Baja California Sur, San Luis Potosí e Colima registram alta.

As autoridades previram que, dado o tamanho do território mexicano - quase 2 milhões de quilômetros quadrados -, o coronavírus se manifestaria em surtos regionais, com tempo diferenciado, que precisariam ser combatidos localmente.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.