Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Plantação de arroz na Índia, em 8 de julho de 2014

(afp_tickers)

Os governos determinaram os primeiros padrões internacionais para limitar a poluição por arsênico, uma substância que pode provocar câncer, no arroz, uma medida chave para proteger os consumidores de um alimento do qual dependem bilhões de pessoas, informou a ONU nesta quinta-feira.

A Comissão Codex Alimentarius, a mais alta entidade mundial tomadora de decisões sobre padrões alimentares, divulgou a decisão em seu encontro anual se realiza atualmente em Genebra.

"O arsênico é um poluente ambiental. Ocorre na natureza e é captado pelas plantas, em particular o arroz, durante seu crescimento, através da água e do solo", disse a coordenadora de segurança alimentar da Organização Mundial da Saúde, Angelika Tritscher.

A comissão estabeleceu um máximo de 0,2 miligrama de arsênico por quilo de arroz polido, como o produto é comercializado e consumido.

"O principal motivador dos padrões Codex é o comércio. Mas quando falamos sobre padrões de segurança, o propósito principal é claramente proteger a saúde dos consumidores", disse Tritscher.

O arsênico ocorre na crosta terrestre. Algumas das concentrações mais elevadas estão na Ásia, onde o arroz é o principal alimento.

Um problema chave são os campos irrigados com água bombeada de poços rasos contendo sedimentos ricos em sedimentos.

O forte consumo de arroz demonstrou aumentar o impacto do arsênico na água potável.

"Uma vez que o arroz é uma importante fonte de alimento em muitos países e muitas regiões do mundo, uma parte significativa da população mundial é afetada", disse Tritscher.

Bangladesh é de grande preocupação, com dezenas de milhões de habitantes de áreas rurais, expostos devido a poços perfurados nos anos 1970 em programas de "acesso à água".

Partes de Camboja, China, Índia e Vietnã também foram afetadas.

A exposição de longo prazo ao arsênico pode provocar câncer e lesões na pele, disse Tritscher. A substância também está relacionada com doenças cardíacas, diabetes e danos ao sistema nervoso e ao cérebro.

O arsênico raramente chega às primeiras páginas dos jornais como ocorre com outras crises alimentares.

"Não é como ter um ter um efeito imediato e agudo, como o que ocorre com um surto de salmonela", explicou Tritscher.

A comissão do Codex, composta por 186 países, é gerenciada pela OMS e pela Agência das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).

Seus padrões devem ser seguidos por leis nacionais para entrar em vigor.

AFP