Navigation

Países europeus destroem carne de matadouro ilegal polonês

(Arquivo) Vários países europeus, entre eles França, Portugal e Reino Unido, localizaram e começaram a destruir carne bovina procedente de um matadouro ilegal na Polônia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. fevereiro 2019 - 15:16
(AFP)

Vários países europeus, entre eles França, Portugal e Reino Unido, localizaram e começaram a destruir carne bovina procedente de um matadouro ilegal na Polônia, embora o governo garanta que não a mesma não representa nenhum risco à saúde dos consumidores.

Os serviços sanitários franceses localizaram 795 quilos desta carne, anunciou nesta sexta-feira (1) o ministro da Agricultura, Didier Guillaume, à emissora CNews. Cerca de 150 quilos já foram confiscados.

Em Portugal, o Ministério da Agricultura explicou ter destruído 99 quilos de carne bovina polonesa, após ter sido alertado por Bruxelas.

Já a Romênia destruiu "por precaução" 1.432 quilos de carne de origem polonesa antes de chegar ao comércio.

As autoridades polonesas garantiram se tratar de uma pequena quantidade de carne que nunca teria que ter sido vendida e que, segundo seus especialistas, não apresenta nenhum risco.

Ao todo, 2,7 toneladas de carne procedente deste matadouro foram exportadas para 12 países (Alemanha, Finlândia, Hungria, Estônia, Romênia, Suécia, França, Espanha, Letônia, Lituânia, Portugal e Eslováquia), de acordo com uma lista da Comissão Europeia.

A retirada e destruição da carne está em curso, indicou Bruxelas.

A Polônia fechou imediatamente o matadouro e o chefe dos serviços veterinários, Pawel Niemczuk, garantiu que as análises da carne revelam que não representam nenhum risco à saúde.

O caso foi revelado pela emissora de informações privadas TVN24. Um de seus jornalistas foi contatado pelo matadouro, na região de Ostrow Mazowiecka, no nordeste da Polônia.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.