Navigation

Paquistão mata 18 rebeldes em bombardeios

A Força Aérea paquistanesa matou 17 rebeldes e destruiu seis de seus refúgios no Waziristão do Norte na sexta-feira à noite, indicaram as autoridades neste sábado. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 28. junho 2014 - 11:34
(AFP)

A Força Aérea paquistanesa matou 18 rebeldes e destruiu seis de seus refúgios no Waziristão do Norte na sexta-feira à noite, indicaram as autoridades neste sábado.

A aviação bombardeou posições rebeldes nas regiões de Dargamandi e Chashma Gaon.

Paralelamente, as agências de ajuda intensificaram seus esforços para ajudar os refugiados que fogem das operações militares.

Um oficial das forças de segurança e um oficial da inteligência local confirmaram o número de mortos deste novo ataque aéreo.

Quasee meio milhão de pessoas fugiram da ofensiva no Waziristão do Norte, lançada pelo exército paquistanês contra os talibãs e a Al-Qaeda na região tribal na fronteira com o Afeganistão, considerada o principal reduto do Talibã.

Dezenas de milhares de famílias fugiram para a cidade de Banu, perto do Waziristão do Norte, enquanto centenas de pessoas buscaram refúgio em cidades mais remotas como Lakki Marwat, Karak e Dera Ismail Khan, desde o início da ofensiva em meados de junho.

Há alguns dias espera-se um ataque terrestre, e os bombardeios intensivos em diversas áreas pode ser um sinal de que o ataque é iminente.

Quase 370 rebeldes e 12 membros da segurança morreram na ofensiva batizada de "Zarb-e-Azb", embora seja impossível verificar o número e os nomes das vítimas.

A ofensiva contra o reduto talibã no Waziristão do Norte, exigida por Washington há muito tempo, foi lançada após um ataque espetacular contra o aeroporto de Karachi, onde dezenas de pessoas morreram, e que marcou o fim de um frágil processo de paz entre o Talibã e o governo paquistanês.

hk-jaf/mtp/meb/erl/mr

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.