Navigation

Para FMI, 'bolsões de vulnerabilidade' afetam sistema financeiro de Portugal

Mulher passa em frente à sede do banco Espírito Santo, em Lisboa, 10 de julho de 2014 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. julho 2014 - 21:23
(AFP)

O FMI alertou nesta quinta-feira que os "bolsões de vulnerabilidade" financeira persistem em Portugal, onde a crise do banco Espírito Santo desestabiliza os mercados e desperta temores sobre a economia europeia.

"Os bolsões de vulnerabilidade continuam, e precisam de medidas corretivas, em alguns casos, e de fiscalização externa, em outros", afirmou o Fundo Monetário Internacional em breve comunicado.

A cotação do Banco Espírito Santo, cujo principal acionista enfrenta fortes dificuldades financeiras, foi suspensa nesta quinta-feira na Bolsa de Lisboa em razão de dívidas crescentes sobre sua solvência.

O FMI, que participou com a Comissão Europeia e com o Banco Central Europeu do programa de resgate a Portugal, disse que não faz comentários sobre uma instituição financeira em particular.

Portugal saiu em maio de um programa de assistência financeira da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional, concedido em 2011 tendo como condições o compromisso de um corte drástico dos gastos públicos e aumentos de impostos.

O FMI ressaltou no comunicado que Portugal conseguiu "resistir" à crise econômica sem "grandes transtornos", mas com a ajuda dos fundos públicos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.