Navigation

Parlamento alemão aprova redução de apoio às renováveis

Ativistas protestam contra nova lei alemã que reduz o apoio às energias renováveis e pretende submeter este setor subsidiado aos mecanismos de mercado, em 8 de abril de 2014, Berlim afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. junho 2014 - 20:06
(AFP)

O Parlamento alemão aprovou nesta sexta-feira uma reforma dos mecanismos de apoio às energias renováveis para submeter este setor subsidiado aos mecanismos de mercado, com o objetivo de conter a alta do preço da eletricidade, uma medida considerada um retrocesso pelos ambientalistas.

A lei, que reduz a partir de 1º de agosto os subsídios às energias renováveis é, junto com o salário mínimo, o primeiro grande projeto do atual mandato de Angela Merkel.

A partir dos anos 1990, a Alemanha decidiu apostar nas energias renováveis e, por isso, instaurou um generoso sistema de subsídios para impulsioná-las.

O mecanismo deu certo, pois 27% da eletricidade consumida na Alemanha provêm de energias "verdes", mas é caro demais e custa ao país € 20 bilhões anuais.

Os usuários financiam o sistema por meio de um imposto cobrado sobre cada kilowatt hora produzido e consumido.

A nova lei reduz de forma substancial os subsídios concedidos às energias limpas e prevê que gradualmente a eletricidade produzida pelo vento e o sol representem, em 2050, 80% do consumo total.

Os meios econômicos saudaram este passo na direção de um mecanismo de mercado, mas as associações ambientalistas acusaram o executivo alemão de ter enterrado a transição energética na Alemanha.

Durante o debate parlamentar desta sexta-feira, o deputado verde Oliver Krischer se referiu ao ministro da Economia, Sigmar Gabriel - que tinha apresentado o texto em janeiro - de "bola de demolição" das energias renováveis.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.