Navigation

Parlamento convoca Guaidó para questioná-lo sobre danos causados por sanções contra a Venezuela

O deputado venezuelano José Brito em 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. março 2021 - 21:25
(AFP)

O novo Parlamento venezuelano, controlado pelo chavismo, informou nesta quinta-feira (4) que vai convocar o líder da oposição, Juan Guaidó, e vários de seus colaboradores para questioná-los sobre os supostos "danos patrimoniais infligidos" ao país devido às sanções internacionais impostas durante seu mandato à frente do Legislativo.

Uma comissão constituída para investigar a Assembleia Nacional anterior, eleita em 2015 e controlada pela oposição, apresentou um relatório preliminar da sua investigação, para a qual solicitou mais tempo.

“Estamos diante de uma agressão liderada de fora e executada por venezuelanos que, por interesses políticos, econômicos e pessoais, se movem em nome de nossos compatriotas para buscar medidas coercitivas unilaterais” contra a Venezuela, disse o deputado à frente da comissão, José Brito, oponente que rompeu com Guaidó após ser acusado de corrupção.

Além de Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por cinquenta países, a comissão buscará interrogar Julio Borges e Henry Ramos Allup, que também presidiram o Parlamento de oposição.

Muitos dos que figuram na lista de mais de 40 nomes estão no exterior, como Borges, na Colômbia, e o líder Leopoldo López, que mora com sua esposa Lilian Tintori, também convocada, na Espanha.

A esposa de Guaidó, Fabiana Rosales, também receberá a intimação da comissão, além de outros colaboradores como Freddy Guevara, Tomás Guanipa, Carlos Paparoni e Carlos Vecchio, representante de Guaidó nos Estados Unidos, principal aliado internacional da oposição.

Brito destacou os “danos patrimoniais infligidos à República” por esses líderes da oposição ao apoiar sanções ao país.

Guaidó e seus aliados não reconhecem o novo Parlamento. Eles boicotaram as últimas eleições legislativas, em 6 de dezembro, por considerá-las fraudulentas. A oposição defende a “continuidade” do seu exercício legislativo até que sejam realizadas eleições “livres, verificáveis e transparentes”.

Brito já afirmou no dia 5 de fevereiro que vai pedir a condenação de Guaidó por, entre outras acusações, formação de quadrilha para cometer crime, crime organizado, traição, usurpação de funções, assassinato, homicídio e tentativa de golpe. As penas para esses crimes "totalizariam mais de 200 anos de prisão", declarou Brito na época.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?