Navigation

Partido do governo no Uruguai expulsa secretário-geral da OEA

(Arquivo) O secretário-geral da OEA, Luis Almagro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. dezembro 2018 - 19:25
(AFP)

O esquerdista Frente Ampla, partido que governa o Uruguai desde 200,5 decidiu neste sábado (15) expulsar o atual secretário-geral da OEA, Luis Almagro, com quem mantém sérias divergências envolvendo suas críticas à Venezuela.

Além disso, o plenário da Frente Ampla, o órgão máximo desta coalizão de partidos que inclui socialistas e comunistas em convivência com setores econômicos ortodoxos, desqualificou das próximas eleições nacionais o ex-vice-presidente Raul Sendic, que renunciou no ano passado, em meio a um escândalo.

Almagro, diplomata de carreira que foi chanceler durante o governo de José Mujica (2010-2015) e chegou à OEA com o apoio do prestígio regional e internacional que o presidente uruguaio conquistou, é um dos críticos mais amargos do regime de Nicolás Maduro na Venezuela.

Há uma semana, Almagro, que buscará um novo período à frente da OEA, também lançou uma ofensiva contra o governo de Cuba, "a mais antiga ditadura" da América, acusando-a de "crimes contra a humanidade" e de exportar "violência" para a Venezuela e Nicarágua.

Nos últimos anos, as denúncias constantes de Almagro sobre a situação humanitária e política na Venezuela corroeram o relacionamento com seus ex-parceiros partidários, e até mesmo com o ex-presidente Mujica.

A decisão da Frente Ampla, publicada em sua página na Internet, foi de "expulsar o senhor Luis Almagro dos registros dos aderentes da Frente Ampla", sem dar mais detalhes.

No caso de Sendic, julgado pela Justiça por peculato e abuso de poder, a coalizão decidiu "suspender" seus direitos como aderente da Frente Ampla ao ex-vice-presidente "por um período de 17 meses, até o fechamento do processo eleitoral, em maio de 2020".

Sendic não pode, portanto, ser candidato nas eleições de 2019 pela Frente Ampla.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.