Navigation

Passageiros de navio australiano contaminado por COVID-19 serão levados aos EUA

Cerca de 25 passageiros e 80 membros da tripulação permanecem retidos no barco, depois que no sábado 110 australianos e neozelandeses deixaram o Uruguai em um avião sanitário com destino a Melbourne afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. abril 2020 - 17:03
(AFP)

Pelo menos 15 passageiros do navio de cruzeiro australiano Greg Mortimer, fundeado em águas uruguaias e com casos de coronavírus, serão transladados nesta quarta-feira para os Estados Unidos em um voo médico de evacuação, informaram na terça (14) a chancelaria e a embaixada americana no Uruguai.

Cerca de 20 passageiros e 80 membros da tripulação continuam na embarcação. No sábado passado, 110 australianos e neozelandeses partiram do Uruguai em um avião sanitário rumo a Melbourne.

"Os 15 passageiros que viajarão nesta quarta-feira são canadenses, americanos e europeus", informou a chancelaria uruguaia em um comunicado.

A embarcação, que se encontra há mais de duas semanas frente ao porto de Montevidéu, chegou com mais de 200 pessoas a bordo e cerca de 100 casos de coronavírus detectados.

Não se informou o estado de saúde dos 15 passageiros, mas o governo uruguaio considera todas as pessoas do cruzeiro com infectadas pelo novo coronavírus.

A embaixada americana informou na manhã desta terça-feira que entre os passageiros que serão evacuados há seis americanos.

Além disso, no mesmo voo estarão cinco britânicos e uma francesa, confirmaram à AFP suas representações diplomáticas.

O avião está previsto para chegar ainda nesta terça a Montevidéu e decolar na quarta para Miami, Flórida.

Aqueles que não são cidadãos americanos farão escala em Miami e seguirão nos voos sanitários para seus respectivos países.

O translado do navio para o aeroporto internacional de Montevidéu será feito por um corredor humanitário para garantir o transporte seguro de passageiros de cruzeiro que estiveram expostos ao coronavírus. A operação será similar à que foi realizada no sábado para retirar australianos e neozelandeses.

Uma passageira será levada diretamente de um hospital para o aeroporto, pois seu estado de saúde lhe permite viajar, segundo a chancelaria.

Os cerca de 80 tripulantes do "Greg Mortimer" permanecerão confinados no barco durante a quarentena para depois zarpar.

O chanceler do Uruguai, Ernesto Talvi, informou ontem que um cidadão indonésio, de 38 anos, será levado para um hospital, onde receberá atenção médica. Dos cinco passageiros internados em hospitais locais, dois evoluíram muito bem e devem receber alta em breve.

O Greg Mortimer, com bandeira das Bahamas, zarpou em 15 de março de Ushuaia, de onde tinha previsto seguir para as Ilhas Malvinas, as Ilhas Geórgias do Sul e depois navegar pela costa da Península Antártica.

Mas depois dos primeiros indícios de COVID-19 entre os passageiros, que segundo algumas hipóteses podem ter se contaminado na cidade da Patagônia argentina, o navio mudou de rumo e acabou fundeado em frente a Montevidéu.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.