Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cristãos iraquianos são vistos em igreja na província d eNínive, em 1 de julho de 2014

(afp_tickers)

O patriarca caldeu do Iraque, Louis Sako, pediu neste sábado a libertação de dua freiras e três órfãos sequestrados, segundo ele, por insurgentes iraquianos no norte do país.

Os cinco desapareceram na terça-feira, em Mossul, cidade conquistada pelos insurgentes sunitas.

"Nós nos dirigimos aos eruditos e chefes de tribos para que nos ajudem a libertar as duas religiosas e os três órfãos. Vivemos juntos (com os muçulmanos) por 14 séculos, queremos continuar vivendo junto e nos comunicando", declarou Sako.

Os jihadistas sunitas que tomaram o controle de Mossul no mês passado derrubado templos e mesquitas dentro e nos arredores desta cidade do norte do Iraque, informaram vários residentes e os próprios combatentes.

Ao menos quatro templos em homenagem a figuras sufis ou árabes sunitas foram demolidos, assim como seis mesquitas xiitas, nas partes controladas pelos jihadistas na província de Nínive, de que Mossul é capital.

Em imagens postadas na internet pelos jihadistas do Estado Islâmico é possível ver tratores derrubando os templos. Também é possível ver mesquitas e templos xiitas sendo destruídos com explosivos.

As fotos ilustram um comunicado intitulado "Demolindo templos e ídolos no estado de Nínive".

Moradores da zona confirmaram que esses prédios foram destruídos, e que os jihadistas também assumiram o controle de duas catedrais.

"Estamos muito tristes com a demolição destes templos, que herdamos de nossos pais e avós", afirmou um morador de Mossul.

Um empregado da catedral caldeia de Mossul disse que os combatentes do Estado Islâmico ocuparam o templo e a catedral siríaca ortodoxa da cidade.

Os radicais tiraram as cruzes da fachada de ambas as catedrais e colocaram em seu lugar a bandeira negra do Estado Islâmico, segundo o empregado.

AFP