Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O museu, o primeiro deste tipo, comemora o 150º aniversário do conhecido restaurante Quanjude, que ocupa agora um prédio de sete andares e possui franquias inclusive na Austrália.

(afp_tickers)

Pequim inaugurou um museu dedicado ao pato laqueado com uma exposição em mais de 1.000 m2 que reúne informações e fatos curiosos sobre o prato mais conhecido da cozinha chinesa.

O museu, o primeiro deste tipo, comemora o 150º aniversário do conhecido restaurante Quanjude, que ocupa agora um prédio de sete andares e possui franquias inclusive na Austrália.

O museu, que fica no sétimo andar do prédio, exibe estátuas, fotografias de políticos famosos degustando o prato — como Richard Nixon e Henry Kissinger — e cardápios de mais de cem anos de antiguidade.

Apesar de não revelar segredos da receita, pequenas esculturas ilustram o caminho do pato até o prato. Primeiro, a ave é sacrificada quando atinge os 3 kg e é inflada com ar sob a pele para separá-la da gordura. Depois é estripada e preenchida com água fervente para facilitar a absorção de uma espécie de xarope doce antes de ter a carne secada e assada por 50 minutos.

Segundo a lenda, o pato laqueado não nasceu na capital chinesa, e sim em Nankin (leste), e acompanhou a mudança de capital decidida durante a dinastia dos Ming pelo imperador Yongle, no início do século XV.

Entre os dados fornecidos pela exposição, está o impressionante balanço gastronômico dos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008, quando foram servidos 13.000 patos laqueados aos atletas.

AFP