Navigation

Perícia indica que Morales convocou cerco a La Paz

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales durante coletiva de imprensa em Buenos Aires, 21 de fevereiro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. fevereiro 2020 - 22:52
(AFP)

A voz que conclamou o povo boliviano a sitiar as cidades e cortar o abastecimento de alimentos durante a crise de novembro na Bolívia tem "uma alta probabilidade" de ter sido a do ex-presidente Evo Morales, revela uma perícia realizada na Colômbia e divulgada nesta quinta-feira.

O áudio do telefonema atribuído pelo governo transitório da Bolívia a Morales foi enviado para perícia na Colômbia pelo Instituto de Pesquisas Forenses (IDIF) boliviano.

"Que não chegue comida nas cidades, vamos bloquear, cerco de verdade", diz a voz em um telefonema a um líder "cocalero", Faustino Yucra Yarmi, condenado "por narcotráfico", segundo o governo interino da presidente Jeanine Áñez.

O relatório do Corpo Técnico de Investigação (CTI) da Colômbia conclui que "há alta probabilidade de identificação" de Morales, segundo o diretor nacional do IDIF, Andrés Flores.

O porta-voz do grupo de promotores que move uma ação por terrorismo e sedição contra Morales, Rudy Terrazas, disse que que "toda a perícia e a documentação foi enviada pelo CTI para ser analisada pela comissão encarregada".

A Bolívia viveu entre outubro e novembro uma convulsão social que deixou 36 mortos, em razão das eleições de outubro.

Morales abandonou a presidência no dia 10 de novembro, em meio a acusações de fraude eleitoral confirmadas pela Organização dos Países Americanos (OEA).

Em meio aos protestos da oposição e à perda do apoio dos militares, o ex-presidente abandonou o país rumo ao México, de onde seguiu para a Argentina, onde permanece.

O Tribunal Supremo Eleitoral convocou eleições gerais para o próximo dia de 3 de maio.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.