Navigation

Peru desmonta laboratórios de drogas na fronteira com Colômbia e Equador

(ARQUIVO)Pasta-base da cocaína produzida a partir de folhas de coca em uma fazenda clandestina na Colômbia, no sia 25 de setembro de 2017 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. julho 2018 - 21:49
(AFP)

Militares peruanos desmontaram quatro laboratórios de drogas e detiveram 50 suspeitos em uma operação em uma região remota de floresta na fronteira com a Colômbia e o Equador, informou nesta segunda-feira (23) o Ministério da Defesa.

A operação 'Armagedon', na região amazônica de Loreto, deixou "50 pessoas detidas, entre elas grande número de cidadãos colombianos; a destruição de quatro laboratórios de droga e a apreensão de insumos químicos" para a elaboração de cocaína, informou o ministério em um comunicado.

Um "grande número de cidadãos colombianos" estão entre os 50 detidos, acrescentou o ministério, afirmando que o Peru mobilizou cinco helicópteros militares, três aviões e uma lancha-patrulha no rio Putumayo, assim como uma equipe de promotores.

Nessa remota região de selva, o rio Putumayo separa o Peru de Colômbia e Equador.

"Capturamos grande quantidade de pessoas vinculadas ao tráfico ilícito de drogas; apreendemos uma série de insumos químicos", afirmou o ministro da Defesa, José Huerta, que qualificou a operação como "bem sucedida".

O Peru declarou em 16 de julho o estado de emergência por 60 dias na província de Putumayo, na região de Loreto, pela insegurança na região diante da presença de grupos de narcotraficantes e dissidentes da ex-guerrilha colombiana das Farc.

"A intervenção militar e policial foi realizada em quatro sítios próximos à lagoa Pacora, onde foram apreendidos os insumos para a elaboração de drogas como folhas de coca, sulfato de cocaína, motores", informou o Ministério.

Com o estado de emergência, foram suspensos os direitos constitucionais de liberdade, inviolabilidade de domicílio e liberdade de reunião e trânsito no território.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.