Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Keiko Fujimori durante ato de campanha em Lima, em 7 de abril de 2016

(afp_tickers)

O procurador peruano José Domingo Pérez pediu nesta segunda-feira ao Brasil que autorize um depoimento do empresário Marcelo Odebrecht, preso por corrupção, sobre anotações encontradas em sua agenda envolvendo a suposta entrega de dinheiro à ex-candidata presidencial Keiko Fujimori.

"O procurador José Domingo Pérez solicitou autorização para tomar o depoimento de Marcelo Odebrecht por anotações sobre Keiko Fujimori", informou a Procuradoria no Twitter.

A "solicitação foi feita através do Gabinete de Cooperação Judicial Internacional e de Extradições da Procuradoria da Nação", destaca a mensagem.

A Procuradoria abriu em agosto uma investigação preliminar contra Keiko Fujimori, dirigente do partido opositor Força Popular, por receber contribuição ilegal de campanha do grupo Odebrecht.

O pedido para o depoimento se baseia em anotações no smartphone do empresário sobre a entrega de dinheiro da Odebrecht a Keiko para sua campanha à presidência em 2011, segundo a imprensa.

"Tenho certeza de que a investigação confirmará que a Odebrecht não nos deu dinheiro", disse Keiko Fujimori no Twitter em agosto. "Digo pela enésima vez: nem a Força Popular e nem eu recebemos dinheiro da Odebrecht".

Keiko é filha do ex-presidente Alberto Fujimori, preso no Peru por corrupção e crimes contra a humanidade.

No final de 2016, a Odebrecht admitiu ter pago 29 milhões de dólares em subornos a diversos funcionários peruanos, entre 2005 e 2014, durante os governos de Alejandro Toledo, Alan García e Ollanta Humala.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP