Navigation

Peruanos escolhem novo Congresso para encerrar sua crise política

(Arquivo) O presidente Martín Vizcarra encerrou o Congresso unicameral e convocou novas eleições parlamentares em 30 de setembro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. janeiro 2020 - 16:03
(AFP)

O Peru terá no domingo (26) as primeiras eleições legislativas antecipadas de sua história, com as quais o presidente Martín Vizcarra, que dissolveu o Congresso em setembro, espera pôr um fim ao controle absoluto que a maioria opositora fujimorista exerce no Parlamento desde 2016.

As pesquisas preveem que o partido populista de direita de Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000), perderá dezenas de bancadas conquistadas em 2016 (73 de um total de 130).

O Controle do Congresso permitiu que o partido de Keiko segurasse o então presidente Pedro Pablo Kuczynski, até que ele foi forçado a renunciar em 2018.

"O vencedor da eleição será Martín Vizcarra, porque ele conseguiu mudar o Congresso hostil dos últimos anos e alterar a correlação de forças existente no Parlamento anterior", disse à AFP o analista político Augusto Álvarez Rodrich.

Atingida pelo escândalo de corrupção da construtora brasileira Odebrecht, Keiko passou 13 meses em prisão preventiva, o que diminuiu sua popularidade depois de se candidatar à Presidência do Peru nas eleições de 2011 e 2016.

Também prejudicou a imagem de seu principal aliado, o partido socialdemocrata APRA, cujo líder, Alan García, duas vezes presidente do Peru (1985-1990 e 2006-2011), cometeu suicídio em abril passado, quando seria preso pelo mesmo escândalo.

- Sem bancada própria -

As eleições servirão para encerrar uma crise política marcada por confrontos recorrentes entre o Executivo e o Legislativo, que levaram Vizcarra a fechar o Congresso unicameral e a convocar novas eleições parlamentares em 30 de setembro.

A oposição reagiu, denunciando um "golpe de Estado", e deu posse à vice-presidente Mercedes Aráoz como "presidente encarregada", mas renunciou no dia seguinte.

Além disso, a oposição recorreu ao Tribunal Constitucional, que validou a dissolução ao decidir que Vizcarra havia se ajustado aos preceitos da Magna Carta.

Apesar da alta tensão, o fechamento do Congresso não gerou protestos nas ruas, em meio a um clima tenso na região. Segundo as pesquisas, 90% dos peruanos apoiaram a dissolução.

As pesquisas projetam um Parlamento fragmentado, no qual nenhuma bancada poderá administrar à vontade. Nesse cenário, estão previstas alianças de partidos centristas, que aparecem com maior intenção de voto.

A ironia é que, embora Vizcarra "não tenha um bancada (própria), alcançará um relacionamento mais suportável com os partidos de centro que chegarem à maioria no novo Congresso", destaca Álvarez.

Sem partido, Vizcarra precisa de apoio legislativo para suas reformas contra a corrupção, um dos males do Peru, onde quatro ex-presidentes estiveram envolvidos no caso Odebrecht.

"Se o Congresso for administrado pelas bancadas (moderadas) da Ação Popular, Partido Morado, Aliança para o Progresso e Somos Peru, Vizcarra não terá o nível de oposição (obstrucionista) que caracterizou sua relação com o 'fujiaprismo'", afirma Álvarez.

A esquerda voltou a se dividir, o que prejudicou suas opções de aumentar sua representação minoritária.

Apesar dos problemas de Keiko, seu partido da Força Popular pode ser o segundo mais votado, atrás do centrista Ação Popular, segundo as pesquisas.

"O fujimorismo é difícil de matar", alerta o analista Carlos Meléndez, que descarta que o movimento fundado há três décadas pelo presidente dos ancestrais japoneses desapareça do mapa eleitoral peruano.

- Apatia -

Nessas eleições diretas, 130 parlamentares serão eleitos por apenas 16 meses, até 28 de julho de 2021, os cinco anos do Congresso eleito em 2016. Esse dia também encerra o período de Vizcarra, vice-presidente de Kuzcynski.

Em meio ao descrédito dos políticos, a campanha está sendo marcada pela apatia. Um terço dos peruanos permanece indeciso, ou votará em branco.

Cerca de 25 milhões de peruanos estão habilitados ao voto, que é obrigatório no país. Quem não comparece às urnas deve pagar uma multa equivalente a 25 dólares.

Vinte e um partidos têm 2.331 candidatos no total, quase todos desconhecidos pelos cidadãos, incluindo pela primeira vez uma indígena transexual, Gahela Cari.

Apenas 16 dos parlamentares demitidos estão buscando a reeleição.

Será a primeira vez em dois séculos que o Peru realiza apenas eleições legislativas, pois sempre coincidiram com a disputa presidencial.

As próximas eleições gerais serão em abril de 2021, sem possibilidade de reeleição de Vizcarra, ou dos parlamentares que serão eleitos neste domingo.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.