Navigation

Petróleo cai em meio a tensões na Ucrânia e em Gaza

O barril de "light sweet crude" (WTI) para entrega em agosto perdeu seis centavos, a 103,13 dólares, na New York Mercantile Exchange (Nymex). afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 18. julho 2014 - 21:49
(AFP)

Os preços do petróleo caíram nesta sexta-feira, um dia depois de um avião da Malaysia Airlines ter sido derrubado na região leste da Ucrânia e de Israel ter iniciado uma ofensiva terrestre contra Gaza.

O barril de "light sweet crude" (WTI) para entrega em agosto perdeu seis centavos, a 103,13 dólares, na New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte para entrega em setembro perdeu 65 centavos, para fechar em 107,24 dólares.

Apesar da queda, o barril ganhou 3% desde segunda-feira em Nova York, registrando bons índices depois de três semanas de queda, e deve se manter em alta devido à precária situação geopolítica, disse Tim Evans, da Citi Futures.

A situação mais preocupante para os investidores está na Europa, depois que o conflito na Ucrânia atingiu um novo patamar com a derrubada de um avião comercial levando 298 pessoas. Não houve sobreviventes.

"Se ficar provado que a Rússia teve algum envolvimento na derrubada do avião de passageiros no leste da Ucrânia ontem, há um risco de sanções maiores", indicaram analistas do Commerzbank em uma nota.

"Nesse caso, não seriam apenas os preços do gás na Europa que seriam afetados, mas também os preços do petróleo, do níquel, do cobre, do alumínio, do trigo e do paládio - afinal de contas, a Rússia é uma das maiores produtoras e exportadoras dessas commodities", indicaram.

Os investidores também estão atentos à situação em Gaza, onde Israel iniciou na quinta-feira uma ofensiva por terra para destruir as infraestruturas do grupo radical palestino Hamas.

Israel alertou que pode intensificar os ataques terrestres, que deixaram até o momento cerca de 290 mortos desde 8 de julho.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.