Navigation

PM quase foi confundido com ameaça a autoridades na abertura da Copa

Torcedores são vistos em partida entre Coreia do Sul e Bélgica, na Arena Cortinthians, em São Paulo, em 26 de junho de 2014 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. junho 2014 - 19:43
(AFP)

Um homem armado posicionado perto da tribuna onde estavam as autoridades no dia da abertura da Copa do Mundo, deixou a segurança em estado de alerta e quase foi atingido por um atirador, mas o incidente não passou de um alarme falso, segundo as autoridades.

O homem que desencadeou pânico em 12 de junho na Arena Corinthians era um policial enviado para reforçar a segurança na área.

"Um atirador de elite da Polícia Civil detectou em uma área proibida a presença de alguém portando uma arma e vestindo um colete à prova de balas da Polícia Militar. Como essa área era de acesso às autoridades - não apenas à presidente Dilma Rousseff mas a todos os chefes de Estado -, o atirador pediu permissão para atirar", de acordo com o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, durante uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira.

"Essa autorização foi negada para que primeiro fosse averiguado de quem se tratava. Identificou-se que era um policial militar, que mais tarde foi retirado da área", acrescentou o ministro.

A Secretaria de Segurança do Estado de São Paulo explicou em um comunicado à imprensa que se tratou de "uma falha de comunicação, que foi rapidamente superada sem maiores consequências", acrescentando que em momento algum esteve em risco a segurança de agentes ou torcedores.

A secretaria esclareceu que o atirador não chegou a iniciar nem a primeira etapa do protocolo de intervenção, que consiste em carregar a arma, que por segurança sempre está descarregada. O segundo passo é colocar o alvo na mira e o terceiro atirar.

A Polícia Civil é responsável pela investigação de crimes, enquanto a Polícia Militar pela segurança pública. Mas durante a Copa do Mundo todos os agentes executam várias tarefas de segurança. O atirador da Polícia Civil faz parte do Grupo Especial de Resgate.

Conforme detalhado pelo jornal Folha de São Paulo, o policial militar que causou a confusão é membro do Grupo de Ações Táticas e havia sido mobilizado para reforçar a segurança no setor.

De acordo com a Folha, a Polícia Militar explicou que seu agente estava no local com a autorização de superiores, inspecionando o setor devido a um alerta de bomba que não foi confirmado.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.