Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Palestinos mascarados jogam pedras contra tropas israelenses, em Shuafat, em Jerusalém Oriental, em 3 de junho de 2014.

(afp_tickers)

A polícia israelense determinou um grande esquema policial em Jerusalém nesta sexta-feira, a primeira do Ramadã, por ocasião do funeral do adolescente palestino assassinado na terça-feira em um aparente ato de vingança pelo assassinato de três israelenses.

Mohamad Abu Khdeir, 16 anos, foi sequestrado na terça-feira à noite em Shuafat, um bairro de Jerusalém Oriental.

O corpo - totalmente queimado, segundo o advogado da família - foi encontrado poucas horas depois em uma floresta da zona oeste da cidade.

O funeral acontecerá em Shuafat em um clima de extrema tensão.

As autoridades israelenses também esperam a presença de milhares de palestinos na Esplanada das Mesquitas para celebrar a primeira sexta-feira do mês de jejum muçulmano do Ramadã.

O porta-voz da polícia, Micky Rosenfeld, informou que o acesso à Esplanada foi limitado às mulheres e aos homens com mais de 50 anos.

A imprensa considera que o assassinato do jovem palestino foi uma retaliação. Na segunda-feira, as autoridades encontraram os corpos de três estudantes israelenses sequestrados em 12 de junho perto de Hebron, sul da Cisjordânia ocupada.

Mas a polícia afirmou que os motivos do assassinato do palestino não foram determinados.

Violentos confrontos foram registrados na quinta-feira, pelo segundo dia consecutivo, entre jovens e policiais israelenses em vários bairros de Jerusalém Oriental, ocupada e anexada.

Ao mesmo tempo, o exército israelense decidiu mobilizar oficiais ao redor de Gaza para reforçar a capacidade perto da fronteira.

Quatro foguetes foram disparados a partir de Gaza contra Israel nesta sexta-feira e um deles foi interceptado pelo sistema de defesa antimísseis Iron Dome.

AFP