Navigation

Pompeo pede que Maduro e Guaidó se afastem para organizar novas eleições

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo (dir.), insiste na saída de Maduro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 31. março 2020 - 14:45
(AFP)

O chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, pediu nesta terça-feira (31) a Nicolás Maduro e a Juan Guaidó que deixem o caminho livre, em meio à disputa de poder na Venezuela, para que novas eleições possam ser organizadas por um "Conselho de Estado" constituído por ambos os lados.

Após mais de um ano de esforços liderados pelo governo de Donald Trump para tirar Maduro do poder, Pompeu defendeu em coletiva de imprensa que um governo de transição deve ser estabelecido na Venezuela, a fim de organizar novas eleições presidenciais.

Juan Guaidó é reconhecido pelos Estados Unidos como presidente interino deste país em crise desde janeiro de 2019.

"O presidente do governo de transição não poderia se candidatar para presidente nessas eleições", destacou.

Consultado sobre se Guaidó poderia ser candidato nas novas eleições, Pompeo concordou: "Absolutamente sim".

"É o político mais popular na Venezuela. Acredito que, se as eleições fossem realizadas hoje, ele poderia se sair muito bem", apontou, destacando que os Estados Unidos continuam a apoiá-lo.

"Nicolás Maduro deve partir", insistiu o secretário de Estado americano.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.