Navigation

Pompeo pressionará Conselho de Segurança da ONU para que reconheça Guaidó

Secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em sessão do Conselho de Segurança da ONU em dezembro de 2018. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 25. janeiro 2019 - 22:29
(AFP)

O chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, pressionará os membros do Conselho de Segurança da ONU para que reconheçam Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, informou o Departamento de Estado nesta sexta-feira (25).

Os Estados Unidos solicitaram para sábado uma sessão de emergência da mais alta instância das Nações Unidas, após apoiar a autoproclamação do líder opositor venezuelano e declarar "ilegítimo" o presidente Nicolás Maduro.

"O secretário Pompeo vai exortar os membros do Conselho de Segurança e da comunidade internacional a defender a paz e a segurança internacionais reconhecendo Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, e solicitará apoio para o governo de transição em sua busca para restaurar a democracia e o mandato da lei", anunciou o Departamento de Estado em um comunicado.

Guaidó, presidente da Assembleia Nacional de maioria opositora, se comprometeu na quarta-feira, diante de uma multidão de partidários em Caracas, em cumprir a Constituição e liderar um governo de transição para organizar novas eleições e tirar do poder Nicolás Maduro, cujo segundo mandato, iniciado em 10 de janeiro, é considerado "ilegítimo".

Os Estados Unidos e uma dúzia de países da região reconheceram Guaidó, incluindo Argentina, Brasil, Canadá e Colômbia.

Mas nenhuma das outras cinco potências com poder de veto no Conselho de Segurança apoiou formalmente Guaidó.

Reino Unido e França declararam a reeleição de Maduro como ilegítima, mas não chegaram a reconhecer oficialmente Guaidó, um engenheiro de 35 anos, embora o ministro britânico das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, tenha dito que ele "é a pessoa certa para conduzir a Venezuela em frente".

A Rússia apoiou seu aliado Maduro, e a China, o principal credor da Venezuela, expressou sua oposição a uma interferência externa.

O Conselho de Segurança da ONU é composto pelos cinco membros permanentes e 10 não permanente, que este ano são Alemanha, Bélgica, Costa do Marfim, Guiné Equatorial, Indonésia, Kuwait, Peru, Polônia, República Dominicana e África do Sul.

Em meio à ofensiva diplomática americana, o senador republicano Marco Rubio, muito envolvido na crise na Venezuela, disse que conversou com Guaidó por telefone.

"Acabo de ter uma conversa excelente com o presidente interino da #Venezuela @jguaido há poucos minutos. Expressei a ele que os Estados Unidos esperam ansiosamente trabalhar mais estreitamente com a sua administração até que a democracia seja restaurada", informou em um tuíte.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.