Navigation

Premiê confirma libertação de dois tunisianos reféns na Líbia

Um diplomata tunisiano e um outro funcionário da embaixada da Tunísia na Líbia, sequestrados há semanas em Trípoli, foram libertados neste domingo, anunciou o primeiro-ministro desse país, Mehdi Jomaa, agora à noite. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. junho 2014 - 23:17
(AFP)

Um diplomata tunisiano e um outro funcionário da embaixada da Tunísia na Líbia, sequestrados há semanas em Trípoli, foram libertados neste domingo, anunciou o primeiro-ministro desse país, Mehdi Jomaa, agora à noite.

"Quero lhes informar que, há alguns minutos, o avião decolou de Trípoli com nossos 'filhos' que estavam presos", declarou Jomaa, em uma entrevista coletiva no Ministério das Relações Exteriores.

"Eles foram libertados e devem voltar para a Tunísia logo", disse mais cedo à AFP uma fonte da Chancelaria, que havia pedido para não ser identificada.

Segundo a mesma fonte, os dois homens "passam bem".

Em 21 de março, o funcionário da embaixada da Tunísia em Trípoli Mohamed ben Sheikh foi sequestrado na capital líbia. Em 17 de abril, o diplomata tunisiano Al-Arussi Kontassi foi feito refém na mesma cidade.

Em 23 de abril, um grupo "jihadista" desconhecido chamado "Chabab Al-Tawhid" divulgou um vídeo de Mohamed ben Sheikh, no qual o refém pedia ao presidente tunisiano que negociasse com os sequestradores.

A gravação não falava em Al-Arussi Kontassi, que teria sido levado, segundo Túnis, por esse mesmo grupo.

De acordo com as autoridades tunisianas, os sequestradores exigiam a libertação de "terroristas líbios" condenados à prisão por seu envolvimento em uma operação antiterrorista no nordeste da Tunísia.

A fonte da embaixada consultada pela AFP relatou que a libertação de ambos aconteceu "graças às negociações" e garantiu que o governo "não cedeu" às demandas dos sequestradores.

Desde a queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011, as representações diplomáticas na Líbia têm sido, com frequência, alvo de ataques e de sequestro por parte de milícias.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.