Navigation

Premier peruano nega divergências com presidente após renúncia

Villanueva participa de entrevista coletiva em Lima afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 09. março 2019 - 20:07
(AFP)

O premier do Peru, César Villanueva, 72, que renunciou ontem ao cargo, descartou neste sábado divergências com o presidente, Martín Vizcarra, ao negar que sua saída tenha sido fruto de uma crise interna no governo.

"Não tenho nenhuma divergência com o presidente", afirmou Villanueva durante entrevista coletiva no palácio de governo, após 11 meses como chefe de gabinete.

"Não me afasto do governo", assinalou o político, insistindo em que mantém relações cordiais com Vizcarra. "Tenho com ele, ontem e hoje, as melhores relações", afirmou, assinalando que a decisão sobre sua renúncia foi tomada por ambos.

"Não temos agora uma crise no governo, mas acreditamos ser necessária uma alternância", explicou Villanueva, que assumiu o cargo em meio a uma situação complexa no país, após a renúncia do presidente Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), envolvido em denúncias de corrupção por supostos laços com a brasileira Odebrecht.

Villanueva destacou as conquistas de Vizcarra em seu primeiro ano de governo: as reformas contra a corrupção e a recuperação do crescimento econômico, que havia desacelerado em meio à tensão que levou à saída de Kuczynski.

"Neste mar de dificuldades, conseguimos uma onda de confiança nos níveis externo e interno. Na região americana, somos o segundo país em atração de investimentos em recursos naturais, depois do Chile", afirmou, assinalando que a economia peruana voltou a crescer a uma taxa anual de 4%, após cair a 2,5% em 2017.

O ex-funcionário também destacou a coragem de Vizcarra de enfrentar o Congresso até forçá-lo a aprovar seu pacote de reformas constitucionais destinadas a combater a corrupção.

As reformas foram ratificadas por 80% dos peruanos em um referendo realizado em dezembro, o que representou a maior vitória de Vizcarra, político provinciano que era vice-presidente de Kuczynski e assumiu o poder sendo praticamente um desconhecido.

A popularidade de Vizcarra, no entanto, começou a cair em janeiro, e parte da imprensa atribui a saída de Villanueva a este fato, o que o ex-premier negou. Ele retomará, agora, sua cadeira no Congresso peruano.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.