Navigation

Presidente do Equador viajará ao Brasil para participar de cúpula com China

O presidente do Equador, Rafael Correa, é visto em 4 de junho de 2014 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. julho 2014 - 18:31
(AFP)

O presidente do Equador, Rafael Correa, anunciou nesta sexta-feira sua participação em um encontro de países latino-americanos com o presidente chinês, Xi Jinping, que será realizado na próxima semana em Brasília.

Antes de participar da reunião, o presidente viajará a São Paulo, onde dará uma palestra na Universidade de São Paulo e se reunirá com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo fontes diplomáticas.

Correa confirmou a meios de comunicação locais que na quarta-feira irá a Brasília para a cúpula de China e América Latina, e no dia seguinte participará do encontro do quarteto da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Cuba, Equador, Costa Rica e São Vicente e Granadinas) com Xi Jinping.

O líder chinês viajará ao Brasil por ocasião da sexta cúpula dos BRICS, o grupo que reúne as economias emergentes de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, que será realizada em Fortaleza no dia 15 de julho.

A China se converteu nos últimos anos em um ator de peso nas economias latino-americanas graças a sua grande demanda de matérias primas. No caso do Equador é um dos maiores credores do governo de Rafael Correa.

O presidente equatoriano afirmou que aproveitará a visita ao Brasil para conhecer de perto como funciona a base de dados dos programas contra a pobreza e a desnutrição realizados pelo governo de Dilma Rousseff.

"Com toda a humildade sempre vamos aprender de quem mais sabe, também aprender de seus erros", declarou o presidente à imprensa na província de Cañar (sur).

Correa informou que estará até quinta-feira no Brasil e depois tirará 12 dias de férias.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.