Navigation

Primeiro abastecimento da ISS após falha em lançamento da Soyuz

A cápsula Cygnus, nas instalações da Nasa em Wallops Island, Virgínia, em 24 de outubro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. novembro 2018 - 16:21
(AFP)

Uma nave americana deve decolar na quinta-feira com provisões para a Estação Espacial Internacional (ISS), na primeira viagem desse tipo desde a falha no lançamento do foguete Soyuz em outubro.

A Nasa acrescentou, de última hora, materiais adicionais para a ISS, antecipando um cenário em que os problemas no envio de astronautas deixem a estação orbital sem ocupantes pela primeira vez desde 2000.

As provisões serão transportadas ao espaço em uma nave de carga Cygnus, que sairá em um foguete Antares de Wallops Island, Virgínia, às 04H49 locais (07H49 em Brasília) de quinta-feira, se o clima permitir.

Na noite de terça-feira, a previsão era apenas 30% favorável, com probabilidade de que uma densa nebulosidade e chuva interfiram nos planos de lançamento, disse a Nasa.

A Rússia suspendeu todos os voos espaciais depois que a nave Soyuz falhou minutos depois de decolar, em 11 de outubro.

O próximo lançamento da Soyuz, com três astronautas a bordo - um russo, um canadense e um americano -, está previsto para 3 de dezembro.

Sistemas de reposição para a recuperação de água e o processamento de urina foram adicionados nas últimas semanas à carga no Cygnus, disse à AFP um porta-voz da Nasa.

Vários desses sistemas já estão na ISS, mas o abastecimento adicional permitiria lidar com o cenário possível de que a estação passe por um período sem tripulantes. Os três cientistas a bordo não podem permanecer lá após janeiro.

A ISS tem estado tripulada continuamente desde 2000, com várias missões de entre dois e sete astronautas ao mesmo tempo.

A Rússia é o único país capaz de enviar humanos ao espaço, após o fechamento em 2011 do programa americano de ônibus espaciais.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.