Navigation

Primeiro grupo de quase cem venezuelanos deixa Chile em plano de retorno

Migrantes venezuelanos viajam em um caminhão no Peru, em 1 de novembre de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. novembro 2018 - 20:53
(AFP)

Quase cem venezuelanos se tornaram os primeiros a deixar o Chile pelo plano de retorno "Volta à pátria" implementado pelo governo de Nicolás Maduro, informou neste domingo a embaixada venezuelana em Santiago.

Um avião da companhia área estatal venezuelana Conviasa abrigou no aeroporto de Santiago os 94 venezuelanos - dos cerca de 150.000 que chegaram este ano ao Chile - que se inscreveram neste programa criado em outubro pela embaixada venezuelana em Santiago e que é replicado em vários países da região.

"Temos um total de 94 pessoas entre adultos e crianças. Temos um grupo muito esperançoso em retornar à pátria", disse à imprensa Arévalo Méndez, embaixador da Venezuela no Chile.

Cerca de 200 venezuelanos no Chile já se inscreveram no programa, que não tem custo nem requisitos, e que tampouco tem prazo de inscrição.

Quando chegarem na Venezuela, os repatriados serão levados às suas regiões e poderão recorrer a um plano social para procurarem emprego e serem reinseridos.

O plano é replicado em outros países como Colômbia, Brasil, Peru, Equador e Argentina, e as autoridades venezuelanas estimam que cerca de 10.000 pessoas já retornaram.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.