Navigation

Primeiro-ministro do Haiti promete ordem e eleições

O primeiro-ministro interino Claude Joseph (à esquerda) com o novo primeiro-ministro Ariel Henry afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. julho 2021 - 00:17
(AFP)

O novo primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, assumiu o cargo oficialmente nesta terça-feira (20) em um país à beira do caos, prometendo restaurar a ordem e organizar as eleições exigidas pela população e pela comunidade internacional.

O ex-neurocirurgião de 71 anos é o sétimo e último primeiro-ministro nomeado pelo presidente Jovenel Moise, que foi assassinado por um grupo de mercenários em 7 de julho.

“Uma das minhas missões prioritárias será devolver à população a certeza de que faremos todo o possível para restaurar a ordem e a segurança”, declarou o novo primeiro-ministro.

“Esta é uma das principais questões na qual o presidente da República queria que eu focasse, porque entendeu que era um passo necessário para dar resposta à sua outra preocupação, que é a organização de eleições credíveis e honestas”, acrescentou.

A cerimônia de posse de seu governo em Porto Príncipe foi precedida por uma homenagem solene ao presidente Moise, com coreografias, discursos e uma orquestra musical em um palco cercado por buquês de flores brancas e coroado por um retrato gigante do chefe de estado assassinado.

- Cinco ministras -

O novo governo, cuja composição foi publicada nesta segunda-feira no Diário Oficial da República do Haiti, é integrado por 18 ministros, incluindo cinco mulheres.

Além do cargo de primeiro-ministro, Ariel Henry assumirá o de ministro dos Assuntos Sociais e do Trabalho.

Claude Joseph, que era primeiro-ministro interino após o assassinato do presidente e chegou a mostrar certas inclinações para reter o poder, se manteve na chefia do Ministério de Relações Exteriores e de Cultos.

A disputa entre Joseph e Henry para assumir a liderança do Executivo finalmente chegou ao fim durante o fim de semana, após a pressão exercida por embaixadores de diferentes países, incluindo França e Estados Unidos, bem como por emissários dos Estados Unidos na OEA e na ONU.

Em um discurso transmitido pela televisão na noite de segunda-feira, Henry afirmou que queria “lançar um apelo solene pela unidade nacional, pela união das nossas forças e pela cooperação de todos, para frear esta corrida do país rumo ao abismo, para proteger nosso país dos muitos perigos que o ameaçam."

De acordo com o novo primeiro-ministro, "a própria existência da nação" do Haiti está atualmente "em perigo".

Sobre o assassinato de Moise, cujo funeral nacional será realizado nesta sexta-feira, Henry prometeu "que os culpados e seus patrocinadores serão responsabilizados por suas ações perante o sistema de justiça haitiano."

O Haiti não tem um Parlamento ativo e já estava mergulhado em uma profunda crise política e de segurança quando Moise foi assassinado.

A polícia haitiana prendeu cerca de 20 militares colombianos da reserva que trabalharam como mercenários no assassinato e afirma ter descoberto um complô organizado por um grupo de haitianos, incluindo um ex-senador procurado e um pastor médico baseado na Flórida, sudeste dos Estados Unidos.

Esses homens teriam recrutado os mercenários graças a uma empresa de segurança venezuelana, também estabelecida naquele estado americano.

Henry também agradeceu à comunidade internacional pelas vacinas contra a covid-19 que foram doadas ao povo haitiano, cujos primeiros lotes chegaram em 14 de julho em um país com infraestruturas de saúde extremamente precárias.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?