Navigation

Primeiro raio X colorido e em 3D é feito em humanos

A tecnologia do CERN, apelidada de Medipix, funciona como uma câmera detectando e contando partículas subatômicas individuais à medida que elas colidem com os pixels enquanto o obturador está aberto. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. julho 2018 - 15:45
(AFP)

Cientistas da Nova Zelândia realizaram o primeiro raio X colorido e em 3D em humanos, usando uma técnica que promete melhorar o campo de diagnósticos médicos, informou o laboratório de física europeu CERN, que contribuiu com a tecnologia de imagem.

O novo dispositivo, baseado no tradicional raio X em preto e branco, incorpora a tecnologia de rastreamento de partículas desenvolvida para o Grande Colisor de Hádrons do CERN, que em 2012 descobriu a partícula Bóson de Higgs.

"Esta técnica de imagem de raios X a cores poderia produzir imagens mais claras e precisas e ajudar os médicos a dar aos seus pacientes diagnósticos mais precisos", disse uma declaração da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN).

A tecnologia do CERN, apelidada de Medipix, funciona como uma câmera detectando e contando partículas subatômicas individuais à medida que elas colidem com os pixels enquanto o obturador está aberto.

Isso permite fotos de alta resolução e alto contraste.

Os "pixels pequenos e a resolução de energia precisa da máquina significam que essa nova ferramenta de imagem é capaz de obter imagens que nenhuma outra ferramenta de imagem pode alcançar", disse o desenvolvedor Phil Butler, da Universidade de Canterbury.

Segundo o CERN, as imagens mostram muito claramente a diferença entre osso, músculo e cartilagem, mas também a posição e o tamanho de tumores cancerígenos, por exemplo.

A tecnologia está sendo comercializada pela empresa neozelandesa MARS Bioimaging, ligada às universidades de Otago e Canterbury, que ajudaram a desenvolvê-la.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.