Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Visitantes observam escultura de reconstrução de neandertais, no Museu da Pré-História, em Eyzies-de-Tayac, França, no dia 19 de julho de 2004

(afp_tickers)

Logo após sua chegada na Europa, alguns seres humanos modernos acasalaram com os neandertais, antes que esta espécie desaparecesse - afirmaram pesquisadores em um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista Nature.

A análise da mandíbula de um homem moderno que viveu na Europa há cerca de 40.000 anos revelou que os neandertais estavam entre seus antepassados ​​relativamente próximos.

O homem de Neandertal, que surgiu há 400.000 anos na Eurásia, desapareceu há cerca de 35.000 anos. O homem moderno (Homo sapiens), de origem africana, se espalhou no continente europeu entre 45 mil e 35 mil anos. Estes dois primos do gênero Homo, que coexistiram durante milhares de anos, nem sempre desagradaram um ao outro.

Estudos anteriores já haviam estabelecido a existência de misturas entre as duas espécies de hominídeos. Os humanos atuais de origem europeia e asiática herdaram de 1% a 3% dp genoma do homem de Neandertal.

Mas os pesquisadores pensavam até agora que estes cruzamentos tinham ocorrido no Oriente Médio entre 50.000 e 60.000 anos, antes que o homem moderno, que partiu da África, chegasse a Ásia e Europa.

A análise do DNA de um maxilar descoberto em 2002 na caverna romena de Pestera cu Oase ("caverna dos ossos") datando de 37.000 a 42.000 anos, demonstrou que as duas espécies se misturaram na Europa antes do que se pensava.

Ela estabeleceu que seis a nove porcento do genoma do fóssil é proveniente dos neandertais. "Um percentual elevado que nunca antes havia sido evidenciado", ressaltou David Reich, do Instituto médico Howard Hugues (Estados Unidos), co-autor do estudo.

Os pesquisadores deduziram que este hominídeo havia um ancestral remontando a apenas "quatro a seis gerações".

No entanto, não foi o homem da caverna romena que transmitiu um pouco do patrimônio neandertal aos homens atuais.

Na verdade, "ele não parece com os europeus atuais", segundo Reich. "Ele talvez fez parte de um grupo pioneiro de homens modernos que foram à Europa mas foram substituídos por outros grupos mais tarde", explicou.

Pesquisadores do Instituto Max-Planck de antropologia (Alemanha) e da Academia de Ciências Chinesas também participaram do estudo.

AFP