Navigation

Procuradoria da Colômbia assumirá investigação contra Uribe após sua renúncia ao Senado

O ex-presidente colombiano Álvaro Uribe é acusado de envolvimento com grupo paramilitar durante seu governo afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. setembro 2020 - 19:48
(AFP)

A procuradoria colombiana fará a investigação da adulteração de testemunhas contra o ex-presidente Álvaro Uribe, que foi detido sob custódia preventiva no caso, anunciou a Suprema Corte de Justiça nesta terça-feira.

O tribunal superior levou o processo contra o ex-presidente (2002-2010) e chefe do partido no poder, mas decidiu transferir o processo para o Ministério Público após a renúncia de Uribe ao cargo de senador que ocupava desde 2014.

Em resposta à renúncia e "por se tratar de uma investigação não relacionada à sua posição como deputado", o tribunal superior "deixará o ex-senador detido à disposição do procurador-geral da Nação", disse o tribunal em nota.

Na Colômbia, ex-presidentes só podem ser investigados pelo parlamento, mas Uribe, 68, enfrentava a justiça como legislador.

Ao abrir mão de seu mandato, seu processo irá para a procuradoria, que deve determinar se o levará a julgamento por suposto suborno de testemunhas e fraude processual no caso envolvendo a oposição e o senador de esquerda Iván Cepeda.

Uribe é o primeiro ex-presidente a ser preso na Colômbia e ao mesmo tempo o político mais popular e influente deste século no país, por sua mão forte contra as Farc quando estava no poder e depois, por ter rejeitado o acordo de paz com a guerrilha em 2016.

Ele também é criticado por diversos escândalos de corrupção e violações dos direitos humanos que atingiram seu círculo próximo.

O ex-presidente de 68 anos se viu envolvido com a justiça em uma reviravolta inesperada de seu caso.

Em 2012, ele entrou com uma ação contra o senador de esquerda Iván Cepeda por uma suposta conspiração judicial que estava sendo preparada contra ele com falsos testemunhos.

Uribe argumentou que Cepeda - um de seus maiores adversários e testemunha em seu julgamento - contatou ex-prisioneiros paramilitares para vinculá-lo a esses grupos, acusados de crimes bárbaros durante o conflito colombiano de seis décadas.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.