Navigation

Professores e estudantes marcham contra Piñera no Chile

Estudantes chilenos protestam contra as políticas educacionais do governo em Santiago, em 25 de abril de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 06. junho 2019 - 21:17
(AFP)

Milhares de estudantes e professores marcharam nesta quinta-feira (6) em Santiago em repúdio às políticas educacionais do governo de Sebastián Piñera e em busca de melhores condições trabalhistas para professores de escolas públicas.

No âmbito de uma greve indefinida de professores iniciada na segunda-feira, milhares de estudantes secundários e universitários se uniram à manifestação dos docentes, levantando suas próprias queixas contra o que consideram uma "criminalização" das políticas educacionais.

A marcha começou na praça Itália e avançou pela avenida Alameda, em meio a canções e batucadas que aumentaram à medida em que passavam em frente ao palácio presidencial de La Moneda.

"Piñera, entenda, a educação não se vende, se defende!", gritavam os alunos do segundo grau, que participaram cedo da manifestação que teve uma das maiores chamadas do ano, que segundo o sindicato dos professores contou com cerca de 50.000 pessoas.

Os professores demandam melhores condições de trabalho e criticam as modificações no currículo do ensino médio, que busca tornar eletivas matérias como história, educação física e artes nos últimos dois anos de estudos.

Eles também se queixam da situação precária da infraestrutura das escolas e das más condições em que trabalham.

Os alunos criticam, por sua vez, o plano "Sala de Aula Segura", recentemente implementado pelo governo e que permite a imediata expulsão de alunos que comentam crimes na escola.

Em 2011, estudantes chilenos foram às ruas para exigir mudanças no sistema educacional herdado da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

A ex-presidente Michelle Bachelet (2014-2018) empreendeu uma profunda reforma com a qual buscou uma educação universitária e escolar gratuita e de qualidade, além de eliminar a seleção na entrada de alunos nas escolas públicas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.