Navigation

Promotoria argentina investiga Macri por contrabando de munição para a Bolívia

(Arquivo) O ex-presidente argentino Mauricio Macri em Miami, Flórida, em 5 de maio de 2021 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. julho 2021 - 16:41
(AFP)

A Promotoria argentina abriu um processo nesta sexta-feira (16) contra o ex-presidente Mauricio Macri, denunciado por contrabandear munição para a Bolívia em novembro de 2019, quando o país foi abalado por manifestações pela reeleição de Evo Morales, informaram fontes judiciais.

O promotor Carlos Navas Rial decidiu impulsionar a investigação contra Macri, com base em denúncias dos atuais ministros da Justiça, Martín Soria, e de Segurança, Sabina Frederic.

A acusação também incluiu a ex-ministra da segurança Patricia Bullrich e o ex-ministro da defesa Oscar Aguad no caso.

O chanceler boliviano, Rogelio Mayta, denunciou há uma semana que o governo de centro-direita de Macri (2015-2019) enviou munições e gás lacrimogêneo às forças armadas para reprimir os protestos dos partidários de Morales.

Poucos dias depois, o governo argentino denunciou Macri e vários de seus ministros por contrabando agravado de munições, crime que inclui penas de quatro a doze anos de prisão.

Macri negou as acusações e sustentou que seu governo concedeu asilo na embaixada argentina em La Paz a funcionários do governo de Morales.

"Quero negar categoricamente a veracidade dessas acusações", disse Macri em uma carta pública.

Mas o ministro Frédéric indicou que a munição foi enviada "secretamente" em um avião da Força Aérea argentina que levou 10 policiais à Bolívia para reforçar a segurança da embaixada.

Para o ministro Soria, “o crime consiste em dizer que a munição vai para a embaixada e acaba em poder da aeronáutica boliviana e no posto policial”, segundo afirmou a um grupo de correspondentes estrangeiros.

Um juiz deve decidir em breve se toma uma declaração de investigação dos réus neste caso.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?