Navigation

Proteína seria chave em casos graves de COVID-19, aponta estudo

Proteína produzida pelo organismo durante inflamação pode ter papel importante nos casos graves de COVID-19 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. agosto 2020 - 13:08
(AFP)

A calprotectina, uma proteína produzida pelo corpo durante a inflamação, pode desempenhar um papel importante em casos graves da COVID-19 e atacá-la pode ajudar a combater o agravamento da doença - diz um estudo de pesquisadores franceses.

De acordo com este trabalho, publicado na quinta-feira (7) na revista Cell, há "uma taxa muito alta, entre 100 e 1.000 superior ao normal, desta proteína, a calprotectina, em pacientes com coronavírus grave.

"Nossos resultados sugerem que a calprotectina pode ser responsável pelo agravamento da COVID-19", disse o principal autor do estudo, o pesquisador de imunologia Aymeric Silvin, em um comunicado.

Muitos trabalhos no mundo todo procuram entender melhor os mecanismos da "tempestade de citocinas", uma reação inflamatória descontrolada e excessiva relacionada com as formas graves de coronavírus.

"O forte aumento de calprotectina no sangue pode intervir antes da tempestade de citocinas associada à inflamação em pacientes que desenvolvem uma forma grave", acrescentou Silvin.

Em tese, seria possível detectar pacientes com risco de desenvolver uma forma grave da doença, testando-se o nível de calprotectina no sangue, conforme o comunicado das organizações francesas por trás dessas pesquisas (Gustave Roussy, AP-HP e Inserm), em colaboração com equipes estrangeiras (Singapura, China e Israel).

Essa pista também pode oferecer "uma abordagem terapêutica inédita", dado que o bloqueio do receptor da calprotectina poderia ajudar a combater o agravamento da doença.

"Essas estratégias devem ser avaliadas com testes químicos", diz o comunicado.

O estudo se apoia na análise do sangue de 158 pacientes internados em emergências por suspeita de COVID-19.

Em pacientes mais graves, além da alta taxa de calprotectina, as análises revelaram um funcionamento anormal de certos glóbulos brancos, o que enfraquece a resposta imunológica.

Portanto, analisar esses dois fatores na entrada de um paciente no hospital pode ajudar a identificar o risco de adquirir formas mais severas da doença.

"O diagnóstico precoce de uma forma grave de COVID-19 pode ser feito em um tubo de sangue", disse no comunicado Michaela Fontenay, chefe do Serviço de Hematologia Biológica do Hospital Cochin de Paris.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.