Navigation

Putin promete retomar 'cooperação construtiva' com Arce na Bolívia

O presidente russo, Vladimir Putin, durante um discurso no Kremlin em 23 de setembro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 22. outubro 2020 - 23:15
(AFP)

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, prometeu ao recém-eleito presidente da Bolívia, Luis Arce, retomar a "cooperação construtiva" que os dois países tiveram durante o governo de Evo Morales, segundo carta divulgada nesta quinta-feira (22).

Em mensagem parabenizando Arce por sua vitória eleitoral no último domingo, Putin propôs retomar o "desenvolvimento e a cooperação bilateral construtiva".

“Fortaleceremos as relações entre nossos países em benefício dos povos”, respondeu Arce, que publicou a carta do mandatário russo em sua conta no Twitter.

As relações entre a Rússia e a Bolívia foram muito calorosas durante o governo de Morales (2006-2019), que em diversas ocasiões visitou Moscou, a última para a abertura da Copa do Mundo de 2018.

Uma visita oficial em 2013 foi a que alcançou maior notoriedade, quando, ao regressar de Moscou, o avião presidencial boliviano foi impedido de entrar nos espaços aéreos da França, Itália, Espanha e Portugal.

Segundo La Paz, os Estados Unidos alertaram os quatro países que dentro do avião estava Edward Snowden, o técnico em informática americano por trás das revelações sobre programas secretos de espionagem americanos, que se refugiara na Rússia meses antes.

Incapaz de seguir para o Atlântico, o avião teve que fazer um pouso de emergência em Viena, onde Morales permaneceu por mais de 24 horas para depois retomar sua viagem à Bolívia, após receber um pedido de desculpas dos governos das quatro nações.

Enquanto esperava a autorização para retomar a viagem, Morales foi visitado no aeroporto de Viena pelo presidente austríaco Heinz Fischer, a quem condecorou dois anos depois por ter "salvado sua vida".

"Se não pudéssemos pousar em nenhum aeroporto e se o combustível não fosse suficiente (para retornar) a Moscou, certamente [o avião] cairia", disse Morales.

Arce disse que pretende manter boas relações com todos os países em um ambiente de "respeito à soberania da Bolívia", o que pode significar que a Bolívia e os Estados Unidos voltarão a indicar embaixadores (não o fazem desde 2008).

A atual presidente interina de direita da Bolívia, Jeanine Añez, que sucedeu Morales quando este renunciou em 2019, rompeu relações com a Venezuela de Nicolás Maduro e reconheceu como chefe de estado venezuelano o líder da oposição, Juan Guaidó.

Áñez também demitiu médicos cubanos no país andino assim que tomou posse e, meses depois, fechou as embaixadas bolivianas no Irã e na Nicarágua.

Embora a Rússia tenha reconhecido o governo Añez, a relação entre os dois países foi fria.

Duas empresas estatais russas atuam na Bolívia. A petrolífera Gazprom explora com a francesa Total o bloco Incahuasi (sudeste) e a agência atômica Rosatom está construindo uma usina de medicina nuclear em El Alto, cidade vizinha de La Paz.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.