Navigation

Relator da CIDH preocupado com situação de manifestantes presos na Nicarágua

Parentes de opositores do governo Ortega prenderam pedido de liberação fora da prisão "El Chipote" em Manágua afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. setembro 2018 - 20:29
(AFP)

O relator da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Joel Hernández, expressou nesta quinta-feira (20) a sua preocupação com a situação dos detidos na Nicarágua por participarem dos protestos contra o governo de Daniel Ortega.

"Vemos que esta população de pessoas privadas de liberdade se encontra em uma situação de fragilidade e é necessário velar por seus direitos humanos", declarou à AFP Hernández, relator da CIDH para os direitos dos detidos.

Hernández chegou na terça-feira ao país com a intenção de visitar a prisão de El Chipote, em Manágua, onde a maioria dos manifestantes presos é investigada, assim como prisões de La Esperanza (de mulheres) e La Modelo (de homens), onde estão os reclusos que têm processos ou foram condenados.

"Infelizmente não tivemos acesso às prisões", lamentou Hernández pouco antes de deixar a Nicarágua.

"Também solicitamos uma série de reuniões com autoridades nicaraguenses com o objetivo de trocar informações, comparar informações que temos para obtermos uma visão muito mais completa", mas tampouco responderam a esse pedido, indicou.

Contudo, conseguiu se reunir com familiares de manifestantes presos, seus advogados e representantes da sociedade civil.

Os familiares expressaram "muitas preocupações" sobre a situação dos detidos e "sobre os julgamentos e as condições nas quais estão presos" seus entes queridos, disse Hernández.

"Estamos atentos a esses depoimentos para ter uma visão global da situação" dos prisioneiros no contexto dos protestos, acrescentou.

Ao menos 500 nicaraguenses estão detidos por dirigir, participar ou apoiar os protestos contra o governo, que começaram em abril e cuja repressão deixa mais de 320 mortos, segundo o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh).

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.