Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Lange, de 59 anos, tinha cinco filhos e viajava com a esposa. Ele se dirigia à conferência mundial sobre a Aids que começa neste fim de semana em Melbourne, Austrália.

(afp_tickers)

Joep Lange, um importante especialista da luta contra a Aids, estava no avião da Malaysia Airlines que caiu no leste da Ucrânia, provavelmente pelo disparo de um míssil, informou nesta sexta-feira sua organização em Amsterdã.

Lange se dirigia para uma conferência mundial sobre a doença, que começa este fim de semana em Melbourne (Austrália), assim como o porta-voz da Organização Mundial da Saúde, Glenn Thomas, que também está entre as vítimas.

"Joep Lange estava no avião, confirmo", declarou à AFP Andrea de Graaf, porta-voz da Fondation PharmAccess, a ONG fundada por ele para facilitar o acesso de doentes ou soropositivos à triterapia.

"É uma perda imensa e estamos muito abalados", afirmou o diretor-executivo da ONG, Onno Schellekens, citado em um comunicado. "Sua abnegação pelo tratamento do vírus HIV, da Aids e da saúde em geral foi revolucionária".

Lange, de 59 anos, tinha cinco filhos e viajava com a esposa. Ele se dirigia à conferência mundial sobre a Aids que começa neste fim de semana em Melbourne, Austrália.

"O que ocorreu é terrível", afirmou à AFP Jaap Goudsmit, outro especialista em Aids e amigo de Lange.

"É uma grande perda para o mundo da luta contra a Aids, uma grande perda para a Holanda e uma grande perda para mim", acrescentou, com a voz entrecortada pela emoção.

Nascido em 1954, Joep Lange trabalhou desde 1983 no centro médico universitário de Amsterdã e posteriormente se converteu em uma das referências mundiais na luta contra o vírus.

Ele presidiu a Sociedade Internacional sobre a Aids, que organiza a conferência de Melbourne, entre 2002 e 2004.

Em Genebra, o encarregado do serviço de comunicação da OMS, Gregory Hartl, reportou também nesta sexta-feira a morte de um dos porta-vozes da organização, Glenn Thomas.

A OMS lamentou a perda de "um dos nossos colegas" na tragédia aérea, quando se dirigia à conferência sobre a Aids na Austrália, afirmou em declarações à imprensa.

Glenn Thomas foi jornalista da BBC e era um apaixonado por temas de "saúde pública", acrescentou.

AFP