Navigation

Republicanos resistem a dar recursos pedidos por Obama para conter imigrantes

O presidente americano, Barack Obama afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. julho 2014 - 17:43
(AFP)

Legisladores republicanos norte-americanos expressaram neste domingo seu ceticismo envolvendo o pedido de recursos feito pelo presidente Barack Obama ao Congresso para enfrentar a onda de imigração de crianças centro-americanas. Os republicanos consideram que a proposta não dá ênfase suficiente à segurança na fronteira.

Desde outubro, as autoridades norte-americanas detiveram cerca de 57.000 menores desacompanhados, número três vezes maior que no mesmo período do ano passado. O presidente Obama pediu 3,7 bilhões de dólares ao Congresso a fim de enfrentar a "situação humanitária urgente".

Com estes fundos, a administração Obama planeja melhorar a vigilância da aérea da fronteira, melhorar os abrigos para os imigrantes sem documentos e acelerar os trâmites de deportação.

Mas os republicanos, com a liderança do governador do Texas Rick Perry, consideram que a proposta não é o suficientemente forte para ter os recursos aprovados.

"Quando veio a proposta legislativa me pareceu uma grande quantidade de dinheiro. Se for analisar, muito pouco (dinheiro) se destina à vigilância da fronteira", disse Perry em uma entrevista à rede Fox News neste domingo.

Perry propôs o envio de tropas da Guarda Nacional à fronteira para fazer uma "demonstração de força".

"Esta é a resposta que devemos dar rapidamente à América Central", afirmou.

A maioria dos jovens que cruzam a fronteira são de El Salvador, Honduras e Guatemala, países fortemente atingidos pela pobreza e pela criminalidade.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.