Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas jantam e bebem drinks em um bar em Caracas, Venezuela, no dia 25 de maio de 2017

(afp_tickers)

Sinônimo de luxo em todo o mundo, o Buddha Bar instalou em Caracas sua única casa na América do Sul, onde por algumas horas alguns alguns afortunados se esquecem da crise econômica, das penúrias e dos protestos.

"Desfruta-se em Caracas do mesmo que em Nova York, em Dubai, em São Petersburgo", celebra Cristhian Estephan, um dos proprietários do local, dominado pela enorme figura de um Buda em posição de flor de lótus.

Pratos como o atum Buddha Rei, costelas de porco grelhadas com especiarias e tacos de mero com três pimentas desfilam pelo lugar.

É quase impossível imaginar que o país viva uma brutal crise econômica, social e política, marcada por falta de alimentos básicos, como farinha e açúcar, mais de dois meses de protestos nas ruas e várias cidades parcialmente paralisadas.

Pedras de dia, bar de noite

Os frequentadores sofrem com a escassez de alimentos e a inflação em disparada, mas admitem que "nada se compara" aos embates do cidadão comum. Pertencem a um grupo de privilegiados com acesso a dólares, que lhes permitem desfrutar de outra Venezuela, onde os restaurantes da moda continuam lotados.

"De dia nós atiramos pedras e de noite vimos pra cá", conta Ahisquel.

Esta mulher tira uma noite por semana para sair com o marido, diretor de produção de uma petroleira internacional.

"Depois de ir para as passeatas, é bom ter um momento de relax; embora você nunca vá ter relax até que este governo saia", esclarece esta mulher que trabalha e mora em um bairro do leste de Caracas - zona "onde estão os esquálidos, os golpistas", ironiza, em alusão ao mote que recebem dos chavistas.

"It’s very difficult", emenda seu marido, em um inglês perfeito. "Se neste país você não ganha dinheiro em moeda estrangeira, é impossível viver".

"Boliburgueses"

Muitos dos venezuelanos ricos trocaram seu país por Madri, Los Angeles e Miami desde que teve início a revolução bolivariana com o falecido presidente Hugo Chávez.

Mas vários decidiram ficar, entre eles o empresário Lorenzo Mendoza, um dos homens mais ricos do país, a quem o governo considera um dos principais atores da "guerra econômica" contra o governo.

O instituto de pesquisas Datanálisis calcula que este setor represente 16% do total dos 31 milhões de venezuelanos. E, segundo especialistas, a maioria é de "boliburgueses", a alcunha usada para definir quem ficou rico durante os governos chavistas.

"É um socialismo que produziu bilionários muito poderosos, a maioria funcionários do governo e afins, que atualmente são um dos principais sustentáculos do governo" de Nicolás Maduro, avaliou a socióloga Colette Capriles, da Universidade Simón Bolívar.

E tudo gira ao redor da indústria do petróleo. "A estrutura da riqueza na Venezuela é a de um estado rentista dependente do setor petroleiro. O estado é que distribui essa renda e o governo chavista a utiliza para favorecer a quem faltar", avaliou.

Mas nem todos se reconhecem como afins ao chavismo, mas o contrário. É o caso de Carlos, um advogado de 49 anos, sócio do Caracas Country Club.

"Fugimos quando vemos boliburgueses, os reconhecemos à distância", diz, à beira da piscina rodeada por árvores e um campo de golfe.

Este país "está caríssimo, só eles (os boliburgueses) podem pagá-lo e viver aqui ou em outros bairros", continua. Entre estas urbanizações menciona Lagunita - onde fica o Lagunita Country Club, com um campo de 18 buracos -, uma das zonas mais exclusivas de Caracas, com mansões protegidas por cercas elétricas e fortes medidas de segurança.

"O show deve continuar"

Para a maioria dos venezuelanos, os preços dos restaurantes são proibitivos.

No Buddha Bar, oito peças de sushi de salmão e camarão custam 55.700 bolívares, pouco mais que um quarto do salário mínimo, de 200.000 bolívares (cerca de US$ 90,9 na taxa oficial, mais alta, e US$ 24 no mercado negro).

Ao cair do sol, dá medo sair de casa. Caracas fica vazia e quase não se vê mais ninguém.

Com uma das taxas de homicídios mais elevadas do mundo (70,1 por 100.000 habitantes em 2016), a insegurança é considerada um dos principais problemas para os venezuelanos, ricos e pobres.

Mas, "a classe alta não deixa de sair", assegura Estephan, admitindo que desde que os protestos começaram, em 1º de abril, a vida noturna caiu.

De qualquer forma, acredita que em breve vai recuperar o ritmo de antes. "Nos piores momentos, as pessoas se conhecem, se casam, as pessoas comem, o show deve continuar".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP