Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O grupo farmacêutico Sanofi assinou um acordo exclusivo de licença em nível mundial, por até 925 milhões de dólares, com a empresa de biotecnologia americana MannKind Corporation por sua insulina em pó de inalar

(afp_tickers)

O grupo farmacêutico Sanofi assinou um acordo exclusivo de licença em nível mundial, por até 925 milhões de dólares, com a empresa de biotecnologia americana MannKind Corporation por sua insulina em pó de inalar, anunciaram as duas companhias.

O produto, que recebeu o nome Afrezza, "uma nova insulina de inalar de ação rápida para o tratamento da diabetes dos tipos 1 e 2 nos adultos", será lançado nos Estados Unidos no primeiro trimestre de 2015, segundo um comunicado conjunto.

A MannKind Corporation receberá um pagamento inicial de 150 milhões de dólares e depois pagamentos parciais que podem chegar a 775 milhões de dólares, "caso sejam alcançados os objetivos particulares em termos de desenvolvimento, regulamentação e vendas".

Caso todos os pagamentos sejam efetuados, o acordo pode alcançar 925 milhões de dólares.

Sanofi e MannKind, unidos no desenvolvimento e comercialização do Afrezza, compartilharão tanto as perdas como os lucros, com 65% e 35% de participação, respectivamente.

O grupo farmacêutico também aceitou antecipar a Mannkind no máximo 175 milhões de dólares por sua participação nos gastos.

O acordo de colaboração prevê que a Sanofi assuma a responsabilidade do desenvolvimento, regulamentação e comercialização do produto. Em virtude de outro acordo, a MannKind produzirá o Afrezza em sua unidade de Danbury, Connecticut (nordeste dos Estados Unidos).

Com o aumento de casos de diabetes registrados nos últimos anos, os grandes grupos farmacêuticos trabalham com formas de administração alternativas à injeção intravenosa subcutânea e às bombas de infusão de insulina.

Com o formato de um apito, o Afrezza é utilizado antes das refeições. O medicamento não pode ser usado por pacientes com doenças respiratórias crônicas como asma.

AFP