Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Milhares de opositores marcharam neste domingo pelas ruas da capital do Paquistão, Islamabad, pelo segundo dia consecutivo, exigindo a renúncia do primeiro-ministro Nawaz Sharif, que é acusado de ter sido eleito de forma fraudulenta.

(afp_tickers)

Milhares de opositores marcharam neste domingo pelas ruas da capital do Paquistão, Islamabad, pelo segundo dia consecutivo, exigindo a renúncia do primeiro-ministro Nawaz Sharif, que é acusado de ter sido eleito de forma fraudulenta.

Estas manifestações são o culminar da passeata liderada pelo ex-jogador de críquete Imran Khan iniciada na quinta-feira em Lahore, cerca de 300 km a leste de Islamabad, a fim de derrubar o governo.

Khan exigiu no sábado que Sharif deixe o poder e acusou o governo de ter sido eleito por meio de fraudes em massa nas eleições legislativas de 2013.

Khan irá detalhar as demandas de seu Partido da Justiça durante um discurso para os manifestantes durante a tarde, indicou à AFP Shirin Mazari, porta-voz do partido.

O opositor pediu que todos os funcionários envolvidos na suposta fraude sejam levados à justiça por traição.

Em maio de 2013, a Liga Muçulmana (PML-N) de Nawaz Sharif conquistou a maioria dos votos nas eleições parlamentares, aplaudidas pelos observadores internacionais, apesar das irregularidades em alguns distritos.

O clérigo paquistanês-canadense Tahir ul-Qadri, que apoia a marcha, pediu, por sua vez, a prisão de Sharif pelo assassinato de vários de seus seguidores e a criação de um governo interino.

Sábado à noite o líder religioso deu ao governo um ultimato de 48 horas para aceitar suas demandas

AFP