Navigation

Senado autoriza revista de residências de Kirchner na Argentina

A ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner, em Buenos Aires, em 13 de agosto de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 22. agosto 2018 - 20:04
(AFP)

O Senado da Argentina autorizou nesta quarta-feira (22) a revista das três residências da ex-presidente Cristina Kirchner na Argentina, dando mais um passo no caso que investiga propinas milionárias em troca de contratos de obras públicas.

A autorização teve o aval de todos os 67 senadores presentes na sessão, inclusive a própria Cristina Kirchner. Não houve abstenções.

A revista foi solicitada pelo juiz Claudio Bonadio, já que a ex-presidente (2007-2015), eleita senadora em 2017, tem foro privilegiado como senadora.

A sessão se estendeu por seis horas, com intervenções de 24 senadores.

Em seu discurso, Kirchner reiterou que o processo contra ela tem como motivação afastá-la da política.

"Se faltava algo para consagrar a perseguição política na Argentina era esta causa. Serei a primeira senadora revistada", asseverou.

Devido ao foro privilegiado, Kirchner não pode ser detida, mas pode ser acusada e condenada.

Na semana passada, uma sessão no Senado para avaliar o pedido de Bonadio havia fracassado por falta de quórum.

- Resguardo da intimidade -

Em carta aos diferentes blocos do Senado, divulgada na terça-feira, Kirchner se declarou disposta a permitir a revista às suas residências em Buenos Aires, Río Gallegos e El Calafate, as duas últimas no sul do país, embora tenha pedido que proíbam a presença de câmeras durante o procedimento.

Também solicitou que estejam presentes seus advogados e um senador durante os procedimentos.

Esses pedidos, especialmente o de impedir a divulgação de imagens, foi apoiado por vários congressistas com o argumento de resguardo da intimidade.

Kirchner "merece respeito. Revistem, busquem as provas, mas com respeito. Respeitem a dignidade humana", enfatizou o senador Adolfo Rodríguez Saa, da Unidade Justicialista (peronista).

De acordo com os cálculos iniciais, a trama de subornos poderia implicar cerca de 160 milhões de dólares.

Da bancada da Frente para Vitória, de Kirchner, a senadora Ana Almirón colocou em dúvida "o objeto e a necessidade da revista".

"Querem esconder a verdade do que acontece na Argentina, mas o povo não compra isso", declarou a senadora, em alusão ao mal-estar pelas dificuldades econômicas que levaram o presidente Mauricio Macri a acordar com o FMI um auxílio de 50 bilhões de dólares em três anos.

Do lado de fora do Congresso, alguns partidários da ex-presidente aguardaram a decisão com cartazes em apoio a ela, enquanto outro pequeno grupo se manifestou pela retirada de seu foro.

Na noite de terça-feira, milhares de pessoas se manifestaram em frente ao Congresso, horas antes do debate parlamentar, para exigir a retirada da imunidade parlamentar da senadora.

"Prisão para Cristina!", "Devolvam o dinheiro!", foram algumas das frases dos manifestantes.

Devido ao seu foro, Kirchner não pode ser detida, mas pode ser acusada e condenada.

- Em busca do dinheiro -

A ex-presidente, da corrente de centro esquerda peronista e que sucedeu seu marido Néstor Kirchner no cargo em 2007, é a pessoa de mais alto escalão envolvida no chamado "Escândalo dos cadernos", que investiga supostos subornos de importantes empresários entre 2005 e 2015 para obter contratos de obras públicas.

Segundo os cálculos iniciais, a trama das propinas poderia implicar cerca de 160 milhões de dólares.

A causa judicial começou há um mês baseada em anotações feitas por um ex-motorista do Ministério de Planejamento, Oscar Centeno, que supostamente fez percursos por Buenos Aires durante 10 anos levando e trazendo sacolas carregadas de milhões de dólares.

O apartamento de Kirchner em Buenos Aires, assim como a casa presidencial de Olivos e a Casa Rosada, sede do governo, aparecem nesses cadernos como pontos de entrega das sacolas.

O juiz busca pistas sobre onde poderia ter ficado o dinheiro, aparentemente sempre recebido em espécie.

As anotações do motorista logo se somaram às confissões de vários empresários detidos que decidiram ir à Justiça na condição de arrependido, assim como, recentemente, ex-funcionários do governo de Néstor (2003-2007) e Cristina Kirchner.

Além deste caso, Cristina Kirchner enfrenta outros cinco processos por suposto enriquecimento ilícito e por encobrimento de iranianos acusados pelo atentado à mutual judaica AMIA em 1994, que deixou 85 mortos e 300 feridos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.