Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bagagens que estavam no avião da Malaysia Airlines supostamente abatido na Ucrânia, em 17 de julho de 2014

(afp_tickers)

Os separatistas pró-Moscou teriam derrubado o avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia após confundi-lo com um aparelho militar ucraniano, indicam vários elementos publicados nos sites dos rebeldes e interceptados pelos serviços de segurança de Kiev.

"O ministro da Defesa" dos separatistas, Igor Strelkov, informou em sua página do Vkontakte (Facebook russo) que os rebeldes derrubaram um avião de transporte militar ucraniano An-26 no mesmo horário e região da queda do Boeing-777 malaio, com 298 pessoas a bordo.

Strelkok publicou em seu site um vídeo da coluna de fumaça produzida logo após a queda do avião, que corresponde ao impacto do Boeing malaio no solo exibido no Facebook.

"Abatemos um An-26 próximo a Snijné", escreveu às 13H37 GMT (10H37 Brasília) Igor Strelkov, cidadão russo apresentado pelos serviços ucranianos como um coronel da Inteligência militar.

Snijné está situada na mesma zona onde o avião da Malaysia Airlines foi abatido, sob o controle dos rebeldes pró-Moscou, por volta das 13H20 GMT.

Um An-26, avião de transporte ucraniano, foi derrubado pelos rebeldes no dia 14 de junho, provocando a morte de 49 militares, no ataque mais fatal contra as forças ucranianas desde o início de suas operações no leste, em meados de abril.

O Serviço de Segurança Ucraniano (SBU) publicou na noite desta quinta-feira a transcrição de um diálogo entre dois líderes rebeldes após o incidente com o Boeing.

- "Foi o pessoal do posto de Tchernoukhine que derrubou o avião. Ele se desintegrou no ar, Major".

- "E agora, Grek"?

- "Era um avião civil, 100%" (...).

- "Não tinha armas"?

- "Não, apenas civis".

- "Há documentos?"

- "Sim, tem um, de um estudante indonésio".

Igor Strelkov não informou nas redes sociais como o avião foi derrubado a uma altitude de 10 mil metros, mas em uma mensagem na conta oficial no Twitter da "República Popular de Donetsk" - que foi posteriormente retirada - os rebeldes afirmam ter capturado uma "bateria ucraniana de A1402", mísseis terra-ar capazes de atingir alvos a 25 km de altitude.

Horas após o incidente, o porta-voz militar ucraniano Andriï Lyssenko disse que os rebeldes baseados em Snijné têm sistemas Bouk "destinados a abater aviões e helicópteros à pequena e média altitudes".

Os rebeldes pró-Moscou afirmam que o avião malaio foi derrubado pelas forças armadas ucranianas e denunciaram uma "provocação".

Um oficial dos Estados Unidos, que pediu para não ser identificado, disse que um míssil terra-ar derrubou o avião, mas não pôde precisar se o disparo partiu dos separatistas pró-Moscou na Ucrânia, de tropas russas na fronteira ou de forças do governo ucraniano.

AFP