Navigation

Sindicatos protestam na Argentina na véspera de greve geral

Os aposentados protestam do lado de fora do Congresso Nacional em Buenos Aires em 17 de setembro de 2018, contra o acordo do governo argentino com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e na demanda por um aumento em suas aposentadorias afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. setembro 2018 - 21:11
(AFP)

Sindicatos e organizações sociais mobilizaram milhares de pessoas em Buenos Aires nesta segunda-feira, um dia antes da greve geral contra as medidas de austeridade do governo de Mauricio Macri e o acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Com bandeiras e tambores, os manifestantes chegaram em várias marchas dos arredores de Buenos Aires à central plaza de Mayo, em frente à Casa Rosada, sede da presidência.

"Não ao FMI" e "Não ao ajuste" diziam os cartazes exibidos na praça e nas ruas vizinhas, apinhadas de manifestantes.

"Mauricio Macri parou de governar a Argentina, cada medida que ele toma tem que consultar o FMI", censurou Joaquín Noya, um dos manifestantes.

O FMI e o governo de Macri acordaram, em junho, um programa de ajuda de 50 bilhões de dólares em três anos, dos quais 15 bilhões já foram repassados. Mas isso não impediu a corrida cambial, e o peso acumulou uma perda de mais de 50% de seu valor neste ano.

Agora a Argentina negocia uma ampliação do acordo e o adiantamento dos empréstimos previstos para os próximos anos.

"Vamos ter mais apoio do FMI, não posso dizer o quanto, porque estamos negociando", disse Macri, acrescentando que o acordo será anunciado em alguns dias nesta segunda em entrevista à TV Bloomberg em Nova York.

Os argentinos têm más lembranças do FMI, depois de décadas de endividamento e da crise de 2001, que levou o país a declarar moratória e provocou um forte aumento da pobreza e do desemprego.

"Somos contra o ajuste de Macri, contra o ajuste do FMI. Particularmente, os professores lutam por mais orçamento para a educação", disse Sonia Alessio, de um sindicato de professores.

Embora a greve geral tenha sido convocada para terça-feira, nesta segunda escolas públicas, hospitais e parte da administração pública já pararam.

Na terça, não haverá transporte público nem bancos, e os controladores de tráfego aéreo suspenderão suas atividades.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.